EDUARDO ENOMOTO/R7
EDUARDO ENOMOTO/R7

Domingos Fraga, diretor da Record TV, morre aos 62 anos após complicações da covid-19

O jornalista estava internado havia três meses em tratamento após contrair o novo coronavírus. Conhecimento e versatilidade sempre foram características destacadas nos meios pelos quais trabalhou

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2021 | 21h01

Morreu neste sábado, aos 62 anos, o jornalista Domingos Fraga. Ele estava internado havia três meses em tratamento de complicações causadas pela covid-19, mas acabou não resistindo à doença. Fraga ocupava a direção executiva de Jornalismo da Record TV, após passagens por diferentes meios de comunicação, onde seu conhecimento e versatilidade sempre se destacaram.

Fraga nasceu no Rio de Janeiro e era formado em Direito, além de Comunicação. Começou como repórter policial do Última Hora, passou ainda pelo Jornal do Commercio, também no Rio. Da cobertura policial, ele migrou para a área de economia, como redator no DCI e diretor do Diário do Comércio. 

O jornalista dirigiu ainda a revista Quem, de celebridades, da qual foi um dos fundadores, na Editora Globo. Depois, na IstoÉ, foi redator-chefe no período mais importante da revista. No currículo, trazia ainda o trabalho como professor de jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, nos anos 90. 

Sua trajetória na Record teve início em 2006. Ele passou por várias funções, como redator-chefe do Jornal da Record e do Jornal da Record News, e diretor executivo do site R7. “Com atuação destacada no portal de notícias, Domingos ajudou a dar dinamismo e versatilidade na cobertura do R7”, informou o portal. Fraga foi também o criador de uma área dedicada à cobertura dos bastidores do poder em Brasília no site.

Ele havia assumido seu cargo mais recente em janeiro, quando retornou a São Paulo como diretor executivo de Jornalismo da Record TV. Deixa a mulher, Tania, quatro filhos e uma neta. 

“Foi um dos profissionais mais equilibrados que conheci, conseguia conversar com todas as tendências de pensamento e encontrar um ponto em comum”, afirma Celso Teixeira, diretor de Comunicação da Record. “Vai fazer muita falta.” 

Jornalista da emissora, Keila Jimenez diz que a gestão de Fraga era generosa e rigorosa. “A Record inteira está muito triste. Ele era uma pessoa com a sala sempre aberta.” 

Colunista do Bem Estar, da TV Globo, Jorge Felix fundou a Quem com Fraga. “Se tem uma palavra para defini-lo é que era um agregador. Um cara que sempre queria estar com os amigos. E um jornalista sempre em busca de novos desafios”, conta. “Era inquieto, o que é sempre importante no jornalismo.”

Em nota, a Record destacou a qualidade do trabalho de Fraga. "Carioca, mas paulista de coração, Fraga tinha 62 anos e sempre foi um apaixonado pelo jornalismo, profissão a que se dedicou por quase quatro décadas. Em sua trajetória profissional, deixou marcas pelas mais importantes redações do país. Nossa solidariedade e os mais sinceros sentimentos à família e aos amigos do nosso querido Domingos Fraga."

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírusDomingos Fraga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.