CRIS FAGA/FOX PRESS PHOTO
CRIS FAGA/FOX PRESS PHOTO

Em domingo ensolarado, milhares vão a ensaios de blocos de carnaval em SP

Espaços em Pinheiros, na Vila Madalena e na Avenida Paulista receberam prévias carnavalescas promovidas por blocos novatos e também tradicionais

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2017 | 20h01

SÃO PAULO - O domingo ensolarado foi um bom incentivo aos paulistanos que não quiseram esperar até o fim do mês para curtir o carnaval. Hoje, milhares de pessoas encheram alguns espaços de Pinheiros e da Vila Madalena, na zona oeste, para participar de ensaios de blocos carnavalescos ou de outras atividades preparatórias para a festa. A folia também se estendeu à Avenida Paulista.

Logo pela manhã, o bar Pirajá ofereceu uma serie de atrações para todos os públicos. Para as crianças, foram realizadas oficinas de confecção de fantasias e acessórios. No início da tarde, uma banda montada pelos donos do bar animou a multidão com as clássicas marchinhas. Segundo Natanael Paes, gerente de marketing do Pirajá, mais de mil pessoas passaram pelo estabelecimento entre as 11 horas e as 15 horas, mas um número muito maior de foliões se concentrou nas ruas do entorno.

Apaixonada por carnaval, a arquiteta Fabiana Juliano, de 41 anos, aproveitou a diversidade de atrações para aproveitar o dia com a filha, de dois anos. "É bom porque nós, adultos, queremos curtir a música, tomar uma cerveja, e temos um local que oferece opções também para as crianças", diz.

A poucos quarteirões dali, outro grupo de foliões se reuniu no bar Roda Viva à tarde para acompanhar o ensaio de um bloco estreante no Carnaval de São Paulo: o Tô de Chico, criado para homenagear a obra de Chico Buarque, Chico César e Chico Science. "Sinto falta de MPB nos blocos de Carnaval, por isso vim conhecer e pretendo ir nos dias de desfile também", diz a professora Liliane Alves, de 32 anos. 

Um dos fundadores do bloco, o geógrafo George Longhitano, de 32 anos, diz que a ideia é que a banda se apresente também em festas e shows fora do carnaval. "É uma iniciativa para valorizar a música brasileira. O maior desafio é conseguir recursos. Ainda não temos patrocínio para o bloco e estamos fazendo um crowdfunding", disse. O Tô de Chico vai desfilar nos dias 19 de fevereiro e 5 de março, na Pompeia.

Outro bloco novato que atraiu muitos foliões para o ensaio neste domingo, no Largo da Batata, foi o Tsunami do Amor, criado pelo músico João Suplicy e pelo percussionista Guto Bocão. "Há dois anos tenho vontade de montar um bloco. Quando o Bocão começou a se apresentar comigo nos shows, achei que seria uma ótima parceria, já que ele tem experiência como mestre de bateria de escola de samba", diz João, que mistura no bloco ritmos como samba, rock e rap, além das tradicionais marchinhas.

O músico foi prestigiado pelo pai, o vereador Eduardo Suplicy. "É o terceiro ensaio do bloco que venho. Adoro música e acho o bloco muito alegre. Até caí no samba", brinca. O Tsunami do Amor desfila no dia 25 de fevereiro, em Pinheiros.  Já veteranos no Carnaval Paulistano, os blocos Pimentas do Reino e Cacique Jaraguá, com repertório inspirado nos ritmos de religiões afrobrasileiras, também realizaram ensaios para seu sétimo ano de desfiles.

Com purpurina no rosto e enfeite colorido no cabelo, a publicitária Ana Silvia Rothschild, de 35 anos, foi uma das que foram conhecer o bloco. "Já faz três finais de semana que estou na programação carnavalesca. Gosto tanto de carnaval que até comecei a confeccionar tiaras e adereços", conta. O Pimentas do Reino desfila no dia 18 e o Cacique Jaraguá no dia 25, ambos na Vila Madalena.

Túnel. Na Paulista, a festa se concentrou no Túnel José Roberto Fanganiello Melhem. Comandado pelo bloco Tarado Ni Você, que promoveu um pocket show, milhares anteciparam o carnaval. O bloco dedica seus eventos ao artista Caetano Veloso, cuja discografia é a base das apresentações. Desde 2014, o desfile inclui a passagem pela esquina das avenidas Ipiranga com a São João, cantada pelo baiano na consagrada "Sampa". O movimento no local contou ainda com a presença daqueles que tinham ido à região aproveitar a avenida fechada para carros e se depararam com a festa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.