Dois suspeitos de pedofilia têm pedido de prisão derrubado

Médico e empresário de Catanduva estão foragidos; apesar da vitória no TJ, eles estão intimados a depor

Agência Brasil,

19 Março 2009 | 10h39

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) derrubou os pedidos de prisão temporária expedidos pela juíza Sueli Juarez Alonso, da Vara da Infância e Juventude de Catanduva (SP), contra dois suspeitos de abusar sexualmente de crianças da cidade. Estão foragidos um empresário e um médico da cidade.

 

Veja também:

linkCPI da Pedofilia deve ouvir os oito suspeitos de Catanduva 

lista Como denunciar a pedofilia e proteger seus filhos na web 

documento A cartilha do governo para prevenção da exploração 

lista Todas as notícias sobre pedofilia   

 

Os dois suspeitos estão foragidos e, agora, não podem mais ser detidos. Contudo, ambos foram intimados a depor na segunda sessão da audiência pública da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia de Catanduva, que acontece nesta quinta-feira, 19.

 

A decisão do TJ foi anunciada na tarde da quarta-feira, 18, e causou revolta em senadores integrantes da CPI e em mães de supostas vítimas que acompanhavam o primeiro dia de audiência.

 

Magno Malta (PR-ES), presidente da CPI, interrompeu o depoimento de uma das testemunhas, convocada por ser namorada de um dos foragidos, para comentar a decisão do tribunal: "Isso é lamentável, vergonhoso e indecente", disse ele.

 

"O pedido de prisão dos dois tem mais fundamento do que o dos que estão presos, mas os outros são pobres", complementou o senador, citando os outros seis suspeitos detidos por suspeita de integrarem uma rede pedofilia em Catanduva.

 

Assim que foi anunciada a notícia, mães de supostas vítimas não se contiveram na plenária. Seis mulheres vestidas de preto avançaram sobre a testemunha ligada a um dos foragidos tentando agredi-la.

 

"Eles têm dinheiro. É por isso", gritavam, enquanto eram contidas por policiais militares que estavam na Câmara Municipal de Catanduva. Nenhuma mãe ficou ferida. A testemunha teve que deixar a Câmara escoltada pela PM.

Mais conteúdo sobre:
pedofilia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.