Dois são detidos e um fica ferido em reintegração de posse na zona sul de SP

Ação da polícia terminou por volta das 14h desta segunda-feira após a retirada de cerca de 200 famílias que moravam no lugar

Antonella Zugliani, O Estado de S. Paulo

16 Setembro 2013 | 20h02

Duas pessoas foram detidas e um policial ficou ferido durante uma reintegração de posse do Jardim da União, no Grajaú, na Zona Sul. A ação da polícia terminou ontem por volta das 14h após a retirada de cerca de 200 famílias que moravam no lugar.

De acordo com Gustavo Moura, representante do movimento social Rede Extremo Sul, a Tropa de Choque chegou por volta das 8h30 no terreno próximo à rua Coronel João Cabanas. "Eles nos deram apenas meia hora para entrar em contato com o secretário adjunto de Habitação, Marco Antonio Biasi, e já ligaram um trator em direção a um barraco", afirma.

Os manifestantes que estavam no local acusaram a PM de abusar da força, ao usar gás lacrimogêneo, balas de borracha e cassetetes contras as famílias. "Tinha criança, além de pessoas idosas. Muita gente ficou ferida", conta Gustavo.

A PM confirma o uso do material, mas afirma que foi somente em resposta à "atitude truculenta" de alguns presentes, que tentaram atirar pedras em policiais. A assessoria não soube informar qual o tamanho do efetivo empregado na reintegração e informa que a Guarda Civil Metropolitana ficou encarregada de fazer a segurança do local.

Os detidos foram levados para a 85ª DP (Jardim Mirna), sob a acusação de resistência à prisão. Um deles, Renan Oliveira, estava filmando a reintegração e teve a sua câmera confiscada. "Está tudo gravado e nós vamos soltar os vídeos na internet", diz Gustavo. O PM ferido foi encaminhado para o pronto-socorro Balneário São José e já recebeu alta.

Militantes da Rede Extremo Sul alegam que a Secretaria de Habitação descumpriu um acordo feito na última quarta-feira de que iria oferecer uma proposta para as famílias até o final de semana. De acordo com a secretaria, o terreno é público e está destinado para a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, que pretende instalar o Parque Ribeirão do Cocaia no local.

O órgão informou ainda, em nota, que as famílias entrarão para programas de habitação do município. "As famílias serão cadastradas nos programas habitacionais. No entanto, não terão prioridade no atendimento e a demanda cadastrada anteriormente será respeitada", aponta o documento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.