REPRODUÇÃO
REPRODUÇÃO

Dois PMs acusados de executar suspeito de roubo admitem que forjaram confronto

Agentes disseram em júri popular que 'plantaram' uma arma perto da vítima; crime ocorreu em setembro de 2015

O Estado de S. Paulo

14 Março 2017 | 00h34

Dois dos três policiais acusados pela morte de Paulo Henrique Porto de Oliveira, em setembro de 2015, no Butantã, zona oeste da capital paulista, admitiram durante júri popular nesta segunda-feira, 13, que mentiram em depoimentos anteriores e que "plantaram" uma arma perto da vítima para forjar um confronto. As informações são da Agência Brasil

Oliveira era suspeito de ter roubado uma moto e foi morto durante a captura. Imagens de câmeras de segurança registraram a ação. Um dos vídeos mostra o momento em que Oliveira se rende aos policiais, tira a camiseta para mostrar que está desarmado e depois é algemado. 

Na sequência, chegam policiais de moto e em uma viatura em reforço aos colegas. O suspeito é encostado em um muro, enquanto os policiais vasculham a área ao redor. Os PMs, então, retiram as algemas de Oliveira e levam o suspeito para um canto da rua. O acusado fica no meio de um grupo de policiais, quando, um deles dispara duas vezes contra a vítima.

O policial Tyson Oliveira Bastiane, de 28 anos, admitiu ter feito dois disparos contra a vítima. Bastiane disse que atirou contra a Oliveira porque ela teria tentado pegar sua arma. Ele também admitiu ter mentido em depoimento anterior, quando disse ter havido um confronto e que Oliveira teria atirado contra os agentes. Segundo Bastiane, a mentira foi “por desespero” e desconhecimento jurídico.

Silvano Clayton dos Reis, que fazia a patrulha com Bastiane no dia do crime, também disse que forjou um confronto, retirando uma arma da viatura policial e colocando-a perto do corpo de Oliveira.

Oliveira e Fernando Henrique da Silva, de 23 anos, foram perseguidos por policiais por estarem uma moto roubada no Butantã, na zona oeste de São Paulo. Silva foi jogado do alto do telhado de uma casa quando foi abordado e Oliveira, morto a tiros. As duas ações foram registradas por câmeras.

Veja abaixo o momento em que Silva é jogado de telhado:


 

Mais conteúdo sobre:
ButantãOliveiraSão PauloSilva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.