Dois pacientes são baleados em PS

Homem invade pronto-socorro em São Bernardo e atira também em dois seguranças; motivo seria briga por causa de uma mulher

WILLIAM CARDOSO, BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2011 | 03h01

Um homem armado invadiu uma Unidade Básica de Saúde (UBS) de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, no final da tarde de ontem, e atirou em quatro pessoas - dois seguranças e dois pacientes do centro médico. Ele fugiu antes da chegada da polícia e, até a noite de ontem, não tinha a identidade confirmada. O crime teria sido motivado por uma briga entre o atirador e um dos seguranças por causa de uma mulher.

Segundo a Polícia Civil, o autor dos tiros teria entrado na UBS e procurado pelo segurança André Souza de Oliveira, de 35 anos, que havia acabado de chegar ao trabalho - ele faz o turno da noite, das 19h às 7h. Os dois começaram a discutir ainda no primeiro andar do prédio e só terminaram na recepção, onde os disparos começaram.

Segundo a polícia, as demais pessoas feridas foram atingidas por balas perdidas enquanto o atirador tentava acertar Oliveira. "O foco do atirador sempre foi o vigia", disse o delegado Kazuioshi Kawamoto, responsável pelo caso. Um outro segurança da UBS foi alvejado no pé e dois pacientes, que esperavam por atendimento médico, levaram um tiro cada (um na mão e outro no pé).

Oliveira foi atingido por mais de um tiro na cabeça - a Secretaria de Saúde de São Bernardo não conseguiu precisar o número exato - e perdeu massa encefálica. Até o final da noite de ontem, ele estava internado no Hospital Serraria, da vizinha Diadema, e seu estado era gravíssimo.

A Polícia Militar não confirmou o total de disparos feitos no centro médico. O atirador tinha uma pistola calibre 380, com capacidade para 16 cartuchos. A suspeita era de que a arma havia sido descarregada. A recepção da UBS foi limpa antes que a perícia solicitada pela Polícia Civil fosse feita. Mas, segundo o delegado Kawamoto, isso não vai atrapalhar o andamento do inquérito para apurar o caso.

Quando os primeiros carros da polícia chegaram, o homem havia fugido - não há confirmação se ele estava a pé, de carro ou se tinha companhia. Os policiais fizeram buscas na região, mas não localizaram o suspeito. Até o final da noite de ontem, o principal objetivo da polícia era identificar a mulher que teria sido o pivô da discussão.

Os três feridos foram atendidos na própria UBS Alvarenga e, depois, transferidos para o Hospital Anchieta, na mesma cidade, onde foram avaliados por cirurgiões. Eles continuavam em observação e devem ter alta médica hoje.

Segundo a secretária adjunta de Saúde de São Bernardo, Lumena Almeida Castro Furtado, o vigia atingido pelos disparos é um bom funcionário. "Aqui foi apenas o cenário do crime. A unidade não tem nada a ver com o que se passa na vida dele fora daqui", disse. Pelo menos 500 pessoas passam pelo local por dia, segundo Lumena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.