Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Dois moradores de rua morrem em SP após noite mais fria do ano

Sensação térmica chegou a 5ºC na cidade de São Paulo; causa dos óbitos será apurada pela Polícia Civil

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2020 | 13h54

Após frio recorde, duas pessoas em situação de rua foram encontradas mortas neste sábado, 22, no centro da cidade de São Paulo. A temperatura chegou a 8,1ºC na noite de sexta-feira, 21, a menor temperatura registrada na capital paulista neste ano. A causa dos óbitos será apurada pela Polícia Civil.

Uma das vítimas, uma mulher, foi encontrada na Praça da Sé, enquanto a outra estava nas imediações da Rua 25 de Março. Segundo o padre Julio Lancellotti, da Pastoral Povo da Rua, outras três pessoas em situação de rua morreram na capital desde a quinta-feira, 20. Indagada pela reportagem, a Prefeitura não se manifestou sobre os óbitos citados por Lancelotti. 

O frio registrado de noite seguiu pela madrugada, que teve mínima de 8,2ºC, e persistirá durante todo o fim de semana. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE), da Prefeitura de São Paulo, a sensação térmica chegou a 5ºC. Segundo o Censo da População em Situação de Rua, a cidade tem 24 mil pessoas que vivem em vias públicas.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo lamentou as mortes. Segundo o Município, a Guarda Civil Metropolitana (GCM) foi acionada às 9h18 para atender o caso da Praça da Sé, cujo óbito foi atestado por equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). O corpo passará por perícia técnica. Ambas as ocorrências foram registradas no 8º Distrito Policial (Brás) e encaminhadas para o 1º Distrito Policial (Sé), que investigará as causas das mortes.

A gestão Bruno Covas (PSDB) destacou ter acolhido 150 pessoas em situação de rua durante a madrugada, além de ter distribuído 182 cobertores. O plano de contingência para situação de baixas temperaturas foi iniciado em 6 de maio neste ano. 

Ajuda para moradores de rua pode ser acionada por meio do 156

A população também pode ajudar as pessoas em situação de rua solicitando uma abordagem social por meio da CPAS, que funciona 24 horas por dia e pode ser acionada pela Central 156.

A solicitação pode ser anônima, mas é importante ter as seguintes informações para facilitar a identificação:

- O endereço da via em que a pessoa em situação de rua está (o número pode ser aproximado);

- Citar pontos de referência;

- Características físicas e detalhes de como a pessoa a ser abordada está vestida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.