Nivaldo Lima/Futura Press
Nivaldo Lima/Futura Press

Dois homens morrem na Rodovia Fernão Dias após tentativa de assalto

Adolescentes foram apreendidos na quinta-feira, 19, e confessaram a tentativa de assalto; eles serão encaminhados a uma vara da infância e juventude

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo - Atualizado às 11h14 do dia 20/09

19 de setembro de 2013 | 11h21

SÃO PAULO - Uma tentativa de assalto se transformou em um grave acidente de trânsito e terminou com a morte de dois motoristas na Rodovia Fernão Dias, zona norte da capital paulista, às 22h de quarta-feira, 20. Dois menores foram presos acusados do crime.

O motorista João José de Souza, de 43 anos, trafegava na pista no sentido São Paulo quando os pneus de seu Celta furaram. Testemunhas disseram à polícia que assaltantes jogaram pedras e paralelepípedos na pista, na altura do quilômetro 84, com o intuito de fazer os carros pararem para roubar os motoristas. Souza parou no acostamento para trocar os pneus e, ao perceber que dois homens suspeitos se aproximavam, tentou fugir a pé. Ao correr, Souza foi atropelado por um Omega que trafegava na faixa da esquerda e, com a batida violenta, arremessado em cima de um Renault Clio que passava no sentido contrário, em direção a Minas Gerais.

Souza e o motorista do Clio, o representante comercial Rogério Antônio Arone, de 38 anos, morreram na hora com o impacto. O corpo de Souza atravessou o para-brisa e arrancou a cabeça de Arone. A mulher dele, Daniela da Silva Oliveira, que estava no banco do passageiro, ficou ferida e foi encaminhada em estado de choque ao Pronto-Socorro de Mairiporã, na Grande São Paulo, onde foi medicada e, depois, liberada. À tarde, Daniela permanecia sem condições de prestar depoimento.

Não foi constatado nenhum sinal de imperícia ou imprudência do motorista que atropelou Souza, já que, segundo o boletim de ocorrência, ele trafegava em velocidade permitida - a máxima é de 110 km/h. Ele teve os olhos atingidos por cacos de vidro, mas foi atendido no local e logo liberado.

Trecho perigoso. De acordo com o inspetor da Polícia Rodoviária Federal, Antonio Thomaz, o trecho da Fernão Dias onde aconteceu o acidente é considerado perigoso, além de ter um tráfego intenso de veículos. "A gente orienta a população a não parar o veículo no local. É um trecho urbano que sempre apresentou histórico de assalto com pedras (jogadas na rodovia), mas fazia cinco meses que não tinha registro desse tipo de estratégia, depois que fizemos uma ação integrada com a Polícia Civil e com a Polícia Militar", afirmou.

Essa ação conjunta das polícias, que funciona em partes da rodovia, será lançada nesta sexta-feira, 20, em toda a extensão da via pela Secretaria Estadual da Segurança Pública. "Não podemos aceitar que isso aconteça novamente. Vamos fazer um planejamento de longo prazo para o trecho", disse Thomaz.

O delegado Maurício Druziani, titular do 73.º DP (Jaçanã), disse que é difícil identificar os assaltantes que atuam na rodovia porque eles migram de quilômetro para quilômetro após ação policial. O inspetor Thomaz aponta outro problema: "Há uma favela no trecho, localizada num morro muito íngreme, com inúmeros acessos. Se um veículo parar perto e o motorista for assaltado, raramente o assaltante é pego, porque a geografia facilita a fuga."

Apreensão. Dois adolescentes, de 15 e de 16 anos, foram apreendidos nessa quinta-feira, 19, em Guarulhos, acusados de terem jogado as pedras na via e tentado assaltar João José de Souza.

Eles foram apreendidos após uma tentativa de roubo a uma caminhão na própria Fernão Dias e acabaram confessando o crime de quarta, de acordo com o delegado Vilson Genestretti. Um terceiro adolescente, de 14 anos, que estaria envolvido no crime, fugiu. Os dois apreendidos seriam ouvidos na quinta à noite sobre as duas ocorrências e encaminhados a uma vara da infância e juventude nesta sexta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.