Felipe Resk/Estadão
Felipe Resk/Estadão

Dois corpos são abandonados dentro de freezer no centro de SP

Vítimas tinham marcas de estrangulamento e foram encontradas na Avenida São Luís; polícia acredita que fossem moradores de rua

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

23 de setembro de 2015 | 12h00

Atualizada às 22h44

SÃO PAULO - Enrolados em cobertores, dois corpos foram abandonados dentro de um freezer velho em cima de uma carroça na Avenida São Luís, na região da República, no centro da capital, na manhã desta quarta-feira, 23. Os cadáveres apresentavam marcas de estrangulamento, ferimentos na cabeça e um deles tinha as mãos amarradas. A Polícia ainda tenta identificar as vítimas e os autores do crime.

Os mortos eram homens e aparentavam ter entre 25 e 30 anos, segundo informações da Polícia Civil. Até o momento, no entanto, a única certeza da investigação é de que eles foram vítimas de assassinato. "Não temos dúvida de que foi homicídio", disse o delegado Luciano Coelho, do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), que investiga o caso.

A carroça foi largada por dois suspeitos na faixa da ônibus da São Luís, no trecho entre o Edifício Itália e a Biblioteca Mário de Andrade, por volta das 2h30, de acordo análises preliminares de imagens de câmeras de segurança. Cerca de quatro horas depois, policiais militares que faziam patrulhamento na região foram avisados pelo dono de uma banca de revista que havia dois corpos dentro do freezer. 

A perícia encontrou um dos corpos com as mãos atadas e vários hematomas no rosto. O outro recebeu uma pancada de um objeto contundente na cabeça, que provocou um corte. Como os dois foram encontrados com pouca roupa e sem documentos, a principal suspeita é que eram moradores de rua. O motivo do assassinato ainda é desconhecido dos policiais - entre as hipóteses, há a possibilidade de os dois terem se envolvido em alguma briga ou sido executados.

Moradores de rua que ficam na região da Praça da República afirmam desconhecer as vítimas. Um deles, que não quis se identificar, dormia em frente ao local onde os corpos foram abandonados. "Quando eu vi, a carroça já estava lá. Não fedia nem nada. Acho que porque o crime era recente."

Os próximos passos da investigação dependem da polícia conseguir identificar as vítimas e quem transportou os corpos. Para isso, devem usar as imagens do circuito de segurança. Os investigadores também querem saber se os suspeitos que abandonaram a carroça são autores dos homicídios ou se foram pagos para esconder os mortos.

Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML), na zona oeste, onde aguardam reconhecimento. Até o início da tarde, duas pessoas haviam entrado em contato com os policiais com suspeita de serem parentes das vítimas. Elas, contudo, ainda não foram identificadas.

Mais conteúdo sobre:
ViolênciaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.