Doente do pé!

Pretexto

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2013 | 02h05

Já tem gente na Bahia falando em emendar o carnaval com o bota-fora de Bento XVI, programado para o dia 28, no Circuito Barra-Ondina.

Desespero de causa

Ainda em cartaz no Teatro Procópio Ferreira, em São Paulo, o musical Cabaret, com Claudia Raia, reduziu o preço dos ingressos de R$ 200 para R$ 60. Se nem assim a inflação baixar, a situação do ministro Guido Mantega pode ficar insustentável no governo.

Dependência digital

Luana Piovani está de novo com aquele seu desejo incontrolável de aprontar mais um barraco nas redes sociais. Pena que Sabrina Sato não tenha aceitado as provocações que, sem mais nem menos, a atriz lhe dirigiu na Quarta de Cinzas. Daria uma bela briga!

Passo pibinho

Aconselhada pelos médicos a se locomover com cuidado, Dilma Rousseff prometeu só caminhar no ritmo do crescimento brasileiro.

Prepare-se

Tá sabendo, né? Conclave no Vaticano é um troço mais complicado que eleição presidencial nos Estados Unidos.

'Enganei um bobo!'

Rogério Ceni não teve culpa! Qualquer um no lugar dele teria interpretado a sede de Ronaldinho Gaúcho, que veio lhe pedir um gole d'água no meio do jogo da Quarta-Feira de Cinzas, como um claro sinal de ressaca do carnaval. Não poderia imaginar que o jogador do Atlético Mineiro se aproximou só para ludibriar a defesa do São Paulo em lance que terminou em gol.

"E aí, caiu no samba ou só pisou na jaca?" Qualquer outro funcionário do Palácio do Planalto que chegasse na Quarta-Feira de Cinzas com o pé direito imobilizado por uma bota ortopédica seria motivo de piada na volta ao trabalho, mas, em se tratando de uma fissura no dedão da presidente Dilma, a imaginação do pessoal não vai muito além de uma topada.

É natural que se especule pelos cantos do palácio a hipótese de a contusão ter sido simulada para justificar o cancelamento de encontro agendado para a próxima segunda-feira em Serra Talhada (PE) com o governador Eduardo Campos, mas nem a maldade alheia mais aguda seria capaz de imaginar Dilma Rousseff protagonizando um passo mal dado no carnaval da Bahia.

Ninguém é ruim da cabeça a ponto de sustentar que a presidente ficou doente do pé pulando os quatro dias de folia em Salvador, trancada com sua velha fantasia de bailarina na base naval de Aratu.

A oposição pode até sugerir que ela se machucou de tanto pisar na bola ou de tanto que o PMDB pisou-lhe os calos, mas dificilmente haverá controvérsias sobre a versão de acidente doméstico provocado por tropeção.

E não se fala mais nisso, ok?

Renascimento

Quem já esteve com Renan Calheiros depois do banho de lodo e sal que ele tomou num spa antiestresse durante o carnaval garante: o senador está irreconhecível, é praticamente outra pessoa! A conferir!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.