Do chicotinho para as aulas de balé em ONG

Houve um tempo em que o ator Eriberto Leão, que atualmente faz papel de galã no horário nobre da Globo, era conhecido como o namorado da Tiazinha (um papel de certa maneira mais invejável, já que, na novela, o desempenho de Leão vem sendo considerado bastante sofrível). Tiazinha foi uma dominatrix estilizada, mascarada e domesticada, que surgiu no programa H, apresentado entre 1996 e 1998 por Luciano Huck na TV Bandeirantes, e virou símbolo sexual com um chicotinho na mão.

, O Estado de S.Paulo

10 Março 2011 | 00h00

Passaram-se 13 anos e, em boa parte deles, Suzana Alves, a pessoa por trás do personagem, explorou a fama até o fim. Tiazinha fez publicidade, Playboy, licenciou a marca.

Ultimamente, seu projeto mais ambicioso tem sido livrar-se do estigma de mulher-objeto. Jogou máscara e chicotinho fora e quer "falar sério".

Em vez de ficar em posições até perigosas para a coluna, Suzana agora se dedica à técnica postural do pilates e dá aulas de balé para crianças em uma ONG.

Estudou teatro com o Grupo Tapa e com Antunes Filho e participa de um grupo de pesquisa em Artes Cênicas da USP. Pretende também montar um monólogo ainda neste ano. No cinema, fez pontas em filmes aplaudidos pela crítica, como O Cheiro do Ralo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.