'Do avião só restou a cauda', diz Serra após vistoria do acidente

Para governador, 'agora é hora de esperar o caso ser investigado e rezar por sobreviventes'

Silvia Amorim, do Estadão,

17 de julho de 2007 | 22h36

Em seu primeiro pronunciamento após o acidente com o Airbus A320 da TAM, o governador de São Paulo José Serra foi contundente: "do avião, praticamente só restou a cauda". Segundo o governador, que acompanha os trabalhos de resgate no aeroporto de Congonhas, as caixas pretas do Airbus da  TAM ainda não foram retiradas.   Serra também confirmou a morte de 16 pessoas, que não estavam na aeronave da TAM, que tinha 176 passageiros e vinha de Porto Alegre. Segundo ele, as vítimas eram pedestres ou funcionários do prédio da companhia aérea que foi atingido com a queda.   O governador disse que ainda não pode determinar se há culpados ou se foi uma fatalidade. "Neste momento, o importante é dar assistência às famílias e rezar para que haja sobreviventes", disse ele, acrescentando que o caso será investigado.   O avião, procedente de Porto Alegre, com 176 pessoas a bordo, derrapou no Aeroporto de Congonhas, atravessou a Washington Luiz e bateu num prédio da companhia aérea do outro lado da avenida. Serra informou que por volta das 22 horas 70 viaturas se encontravam no local do acidente.   "A pista é filmada permanentemente. Quando aparecerem (as imagens), vamos ter mais claro o que aconteceu. Pelas indicações, a aeronave fez uma tentativa de retomada do vôo", declarou Serra à imprensa. "Não quero agora fazer avaliações precipitadas. Acho que as obras da pista de Congonhas demoraram, mas temos as causas ainda." De acordo com o governador, a Polícia Civil vai abrir um inquérito para apurar as causas do acidente e o Ministério Público também já teria designado promotores para acompanhar a apuração.   O líder da minoria na Câmara, o deputado Júlio Redecker (PSDB-RS), era um dos passageiros do avião da TAM. Redecker pegou o vôo em Porto Alegre e iria na noite desta terça para Washington, nos EUA em uma viagem oficial da Câmara. "Eu tinha um amigo no avião. Era um gaúcho combativo, boa gente e trabalhador", disse Serra, bastante emocionado.   A Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo confirmou até agora morte de uma vítima do acidente. Segundo a assessoria da secretaria, uma funcionária da TAM foi levada para o Hospital Dante Pazzanese, no Ibirapuera, mas morreu. Por enquanto, não há informações sobre a identidade da vítima, cujo corpo agora será encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML).      

Tudo o que sabemos sobre:
vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.