Marinha do Brasil
Marinha do Brasil

DNA de vítimas do voo 447 poderá ser identificado

Diante da possibilidade, associação de familiares brasileiros exige retirada dos 50 corpos que ainda estão no fundo do Oceano Atlântico

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE

PARIS

As amostras de DNA extraídas dos dois corpos de vítimas do voo 447, resgatados há dez dias no Oceano Atlântico, servem para identificar passageiros ou tripulantes. A informação foi confirmada ontem pela Gendarmerie Nationale, a polícia militar da França, e já foi dada às famílias. O sucesso do trabalho dos peritos deve levar a Justiça de Paris a ordenar que mais corpos - que estejam em boas condições - sejam retirados dos destroços e trazidos à superfície.

As amostras de material genético ainda não foram comparadas às recolhidas de familiares de vítimas do voo. O reconhecimento dos dois corpos recolhidos deve ocorrer nos próximos dias. O diretor da Associação dos Familiares das Vítimas do Voo Air France 447, Maarten Van Sluys, disse ontem que, com a confirmação da possibilidade de identificar as vítimas pela análise de DNA, a entidade exigirá a retirada de todos os corpos localizados no fundo do mar.

O objetivo dessa primeira etapa científica era confirmar que a identificação dos corpos é possível, segundo explicou há uma semana François Daoust, diretor do Instituto de Pesquisas Criminais (IRCGN) da França. Segundo o coronel Xavier Mulot, da Polícia dos Transportes Aéreos, cerca de 50 corpos foram localizados na área dos destroços.

Nova etapa. Nos próximos dias, uma nova equipe do navio Ile de Sein partirá de Dacar, no Senegal, em direção à região do acidente, onde retomará os trabalhos de busca de peças e corpos. A missão principal da equipe, entretanto, será recuperar as peças, que podem esclarecer as causas do desastre, conforme informou Jean Quintard, procurador adjunto do caso.

CRONOLOGIA

Nova fase foi aberta em abril

31 de maio de 2009

Queda do AF 447

Aeronave que fazia o voo Rio-Paris cai no Oceano Atlântico e mata 228 pessoas.

3 de abril de 2011

Destroços

Após quase dois anos do acidente e quatro fases de buscas, órgão francês localiza destroços.

3 de maio de 2011

Caixas-pretas

Segunda caixa-preta é encontrada, dois dias depois de a primeira ser localizada.

5 de maio de 2011

Primeiro corpo

Primeiro corpo é içado do fundo do Oceano Atlântico, a uma profundidade de 3,9 mil metros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.