Distrito e batalhão da PM são alvo de atiradores em SP

Dois homens em uma moto atiraram, no início da manhã de ontem, contra a fachada do 13.º DP (Casa Verde), onde funciona também a 4.ª Seccional, na zona norte de São Paulo. Foi atingido ainda o muro da 1.ª Companhia do 9.º Batalhão da Polícia Militar, no prédio ao lado. Ninguém ficou ferido. A polícia investiga se os disparos têm relação com os ataques nos últimos meses contra as forças de segurança. Só em junho, quando teve início a onda de violência, quatro bases da PM foram atacadas.

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2012 | 03h03

Os dois rapazes, um de capacete e outro de boné, passaram em uma moto Falcon prateada pela Avenida Casa Verde e dispararam contra a delegacia às 6h15. As balas atingiram a escadaria, a rampa de acesso e a parede do DP, além do muro da PM. Não havia ninguém na frente do local. Policiais militares estavam no pátio, aguardando a troca de turno, às 7h. Os atiradores conseguiram fugir. O trânsito local ficou interrompido por uma hora.

Segundo os peritos, foram encontradas seis cápsulas na frente da delegacia, provavelmente de munição calibre .40, a mesma usada pela polícia. O delegado-geral, Marcos Carneiro Lima, disse que é cedo para apontar a motivação. "Em um primeiro momento, a avaliação é de que se tratou de um ato isolado, provavelmente cometido por bandidos querendo notoriedade no mundo do crime. Inicialmente, foi mais um ato de vandalismo."

Lima, porém, fez uma ressalva. "Quando se começa a atirar contra viatura, contra a polícia, é preciso a sociedade estar atenta. São moleques ou um grupo querendo afrontar o Estado?"

Titular do 13.º DP, o delegado Celso Correia Júnior afirmou que policiais não receberam nenhuma ameaça que pudesse indicar algo planejado.

Responsável pela companhia da PM, o capitão André Oliveira disse que não houve, nos últimos dias, prisão de suspeito relevante ou confronto que tenha terminado com a morte de alguém, situações que poderiam motivar um revide.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.