Discussão entre clientes e garçons vira pancadaria

Confusão no Bar do Juarez começou depois que amigos reclamaram de atendimento e se recusaram a pagar 10%

CRISTIANE BOMFIM, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2012 | 03h32

Uma discussão entre clientes e garçons do Bar do Juarez, no Itaim-Bibi, zona sul de São Paulo, terminou em socos, pontapés, cadeiras voando e olhos roxos. O caso foi parar na delegacia. A confusão começou pouco depois da meia-noite de 24 de maio, quando o grupo de cinco amigos pediu a conta e se recusou a pagar os 10% de gorjeta aos garçons, alegando atendimento ruim.

O administrador de empresas P.A.F, de 30 anos, conta que chegou ao local por volta das 21h do dia 23, uma quarta-feira, com quatro amigos e que a briga começou por causa das ironias e do mal atendimento dos funcionários, que não quiseram sintonizar a televisão nos jogos solicitados pelo grupo.

"Meu amigo se exaltou. Eu entrei no meio da bagunça para apartar. Fui jogado no chão, levei chutes e socos", diz o administrador, que afirma que vai processar o bar.

De acordo com o gerente do Bar do Juarez, José Araújo Gomes, de 42 anos, os rapazes estavam exaltados e agrediram verbalmente os funcionários antes da briga. "Os nossos garçons só se defenderam. Temos as imagens para provar quem está certo ou errado."

Jogos. Segundo o administrador de empresas, depois dos primeiros chopes, eles pediram para que o garçom mudasse o canal de um dos televisores para o jogo entre o Fluminense e o Boca Juniors, pela Copa Libertadores da América. "Ele disse que não poderia porque, se mudasse um canal, mudaria de todas as televisões. Pedimos então para falar com o gerente e ele explicou a mesma história", conta.

Depois do fim do jogo, os amigos pediram mais uma vez pela mudança de canal para o garçom, desta vez queriam acompanhar a disputa entre Corinthians e Vasco, também pela Copa Libertadores da América. Mais uma vez, o garçom disse que não seria possível.

Foi aí que, segundo o administrador de empresas, a mesa dos amigos deixou de ser atendida. "Os garçons faziam ironia e deixaram de passar na nossa mesa", afirma.

Quando pediram a conta, os clientes ganharam uma rodada de chope de cortesia e avisaram que não pagariam os 10% referentes à gorjeta dos garçons. Nas imagens gravadas pelas câmeras de segurança do bar, o que se vê, inicialmente, é uma leve discussão entre um garçom e um cliente que veste camiseta listrada. O funcionário retira a conta da mesa e vai até o balcão. Quinze segundos depois, o rapaz se levanta e começa bater boca. Ele empurra o atendente. Frequentadores da mesa ao lado tentam apaziguar, enquanto os amigos dele acompanham a cena, espantados.

Tumulto. O empurra-empurra virou pancadaria e correria. Garçons e os clientes se estapearam, derrubando mesas e assustando as cerca de 30 pessoas que ocupavam as mesas do piso superior. O tumulto durou cerca de 5 minutos. Todas correram para a varanda. A Polícia Militar foi chamada e o grupo deixou o bar às 0h22, depois de pagar a conta no valor de aproximadamente R$ 500.

No dia seguinte, P.A.F. procurou a polícia e registrou um boletim de ocorrência contra o estabelecimento.

"Eu sempre frequentei este bar, sempre recomendei para amigos e o que aconteceu foi um absurdo. Nunca mais piso lá e vou processar todo mundo", diz ele, que está com hematomas nos braços, pernas e dois galos na cabeça. O caso foi registrado no 15.º DP (Itaim-Bibi) como lesão corporal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.