Discriminação é crime menos notificado

Apenas 2,1% comunicaram à polícia; ofensa sexual vem em seguida, com 7,5% de registro

Bruno Paes Manso e Laura Maia de Castro, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2013 | 02h02

A discriminação por raça, gênero e religião é o tipo de crime em que a população menos procura a polícia para registrar queixa. A notificação é de apenas 2,1%, o que significa que 79,9% daqueles que se sentiram agredidos não levaram o caso às autoridades.

A ofensa sexual fica em segundo lugar na porcentagem de crimes com mais subnotificação. Segundo dados da pesquisa de vitimização, apenas 7,5% procuraram a polícia. Apesar disso, números divulgados em novembro pelo Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública apontam que, em 2012, o Brasil registrou 50.617 casos de estupro.

No outro extremo estão os registros feitos para roubos de carros, onde 90% das vítimas fazem registros policiais. "Uma das hipóteses é de que as pessoas que foram discriminadas ou sexualmente ofendidas não encaram a ação como crime. A baixa confiança na polícia também é um desestimulo ao pedido de ajuda", diz o sociólogo Claudio Beato, coordenador da pesquisa de vitimização.

Para Frei David Raimundo dos Santos, da ONG Educafro, o descaso da polícia militar e civil com o negro acaba servindo como desestímulo. "Grande parte acha que não vale a pena reclamar, porque o sistema é institucionalmente contaminado pelo descaso e acaba gerando o racismo", diz.

Notificação. As taxas de notificação são mais altas nas Regiões Norte e Centro-Oeste. Em Brasília, primeiro do ranking, 33,3% dos habitantes comunicaram as ocorrências. Roraima (31,3%) e Rondônia (31,2%) vêm logo em seguida.

As taxas mais baixas de registros policiais ficam no Nordeste. Na Paraíba, somente 11% das vítimas procuraram as autoridades, seguida pela Bahia (13,7%), Rio Grande do Norte (14,2%) e Pernambuco (14,6%). São Paulo fica em nível intermediário, com 21,8% dos registros.

As pessoas de classe alta (22,9%) e de nível superior (24,2%) foram as que mais procuraram a polícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.