Luiz Guarnieri
Luiz Guarnieri

Dirigente do São Caetano é assassinado

Vice-presidente do time estava com irmão em automóvel do clube quando um motoqueiro se aproximou e atirou: os dois morreram

Gio Mendes, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2011 | 00h00

Briga de trânsito. Essa é a principal hipótese investigada pela Polícia Civil para esclarecer os assassinatos do vice-presidente da Associação Desportiva São Caetano, Luiz de Paula, o Batata, de 55 anos, e do irmão dele, Adílson de Paula, de 47. Os dois foram baleados na Rua Baía Grande, na Vila Prudente, zona leste de São Paulo, por volta das 16h de ontem. Eles estavam em um Palio que pertence ao clube.

Motoristas viram um motoqueiro deixando o local do crime. O suspeito estava usando capacete e trajava uma jaqueta preta. Como o semáforo estava fechado, o motoqueiro fez uma conversão proibida e fugiu pela calçada, na contramão.

Batata e o irmão foram levados para o pronto-socorro da Vila Alpina, mas não resistiram aos ferimentos. Segundo o delegado Luiz Eduardo de Aguiar Marturano, titular do 56.º Distrito Policial (Vila Alpina), as vítimas foram baleadas na região do peito.

Adílson, que trabalhava como motorista do irmão no clube de futebol, levou um tiro no lado esquerdo do peito. A bala saiu do lado direito do corpo. A polícia ainda não sabe se o mesmo tiro atingiu Luiz, que só tinha uma perfuração do lado esquerdo do tórax. "Só o legista poderá comprovar isso", disse Marturano.

Segundo o delegado, a hipótese de roubo está descartada por enquanto. "Ninguém ouviu o criminoso anunciar o assalto e ele não roubou nada das vítimas", afirmou. A Polícia Civil não descartou que os irmãos tenham sido vítimas de uma execução, apesar de o crime não apresentar essas características. "Vamos ouvir ainda os familiares dos irmãos para saber se eles sofriam alguma ameaça. Mas em um crime de execução são feitos vários disparos e a maioria deles na direção da cabeça, o que não ocorreu nesse caso."

O delegado acredita que Adílson tenha discutido com o motoqueiro alguns metros antes, pois nenhuma das três testemunhas ouvidas ontem presenciou a briga. "É provável que o crime tenha ocorrido depois de uma briga de trânsito", disse o delegado.

A polícia vai procurar hoje câmeras de segurança que possam ter gravado o crime. O delegado também espera que novas testemunhas apareçam. "O trânsito era intenso. É impossível alguém não ter anotado a placa da moto. Se alguém fez isso, peço que liguem para nós, nos telefones 2346-3056 e 2341-3425, ou no 181 do Disque-denúncia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.