Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Diretor do sindicato dos motoristas de ônibus é assassinado

Ele levou cinco tiros disparados por dupla em uma moto quando fazia panfletagem política

Moacir Assunção, Renato Machado, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2010 | 00h00

O diretor de base do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de São Paulo, Sérgio Augusto Ramos, fazia panfletagem às 5h30 de ontem, na frente da Viação Itaim Paulista (VIP), na Estrada do M"Boi Mirim, Jardim Ângela, na zona sul, quando foi morto com 5 tiros por dois motoqueiros. Eles usavam capacete, em um crime típico de execução.

Ramos distribuía jornais do sindicato e da Central dos Trabalhadores Brasileiros (CTB) em apoio à candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff. Ele havia feito dois boletins de ocorrência sobre supostas ameaças de morte que recebia de pessoas ligadas ao presidente do sindicato, Isao Hosoji, o Jorginho. O sindicalista - que integrava a diretoria havia um ano, mas era egresso da oposição - gravou um vídeo no qual acusava Jorginho e outros diretores de corrupção e dizia que, caso algo acontecesse com ele, a responsabilidade seria do presidente.

O sindicalista havia denunciado ao Ministério Público Estadual esquema de desvio do subsídio pago pela Prefeitura referente ao plano de saúde dos trabalhadores. O caso começou a ser investigado em 2008. "Essa é a segunda testemunha do caso que foi assassinada", disse o promotor Roberto Porto, que ouviu o depoimento de Ramos.

Sua mulher afirmou, no 100.º Distrito Policial (Jardim Herculano), que ele recebeu ameaças e sempre citava o presidente. Um funcionário da VIP que acompanhava Ramos disse na delegacia que os assassinos estavam em uma moto amarela, com a placa voltada para cima, e só falaram o nome do colega ao atirar. Depois, fugiram na moto em direção à Estrada de Itapecerica da Serra.

Coordenador de Comunicação do sindicato, Naílton de Souza negou envolvimento de Jorginho no assassinato. "Temos o maior interesse em ver tudo esclarecido. O presidente teve problemas com ele (Ramos), mas nada que pudesse levar à sua morte." Jorginho sofreu um acidente e está afastado por ordem médica.

PARA LEMBRAR

O Sindicato dos Motoristas esteve no meio de uma forte polêmica, em 2003, quando 17 diretores, entre eles o atual presidente e o então presidente e hoje secretário-geral, Edivaldo Santiago, foram presos pela Polícia Federal. Os sindicalistas eram acusados de, em conluio com os empresários do ramo, promover locaute para desgastar a então prefeita, Marta Suplicy (PT), e forçar alta no preço das passagens. Naquele ano, ocorreram 12 paralisações de ônibus. Eles negaram a acusação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.