Diretor de Arrecadação é investigado pelo MP

Após ser citado por testemunha como participante da quadrilha, Leonardo Leal Dias da Silva pediu exoneração e negou envolvimento no caso

O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2013 | 02h13

O diretor do Departamento de Arrecadação e Cobrança da Prefeitura, Leonardo Leal Dias da Silva, é investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE) após ser apontado por uma testemunha como um dos participantes de quadrilha que fraudou o Imposto Sobre Serviços (ISS). Silva, que é auditor fiscal de carreira, pediu exoneração do cargo de diretoria ontem e nega envolvimento no caso.

Ele é citado por uma testemunha protegida, um comerciante do ramo imobiliário que já teria sido prejudicado pela quadrilha. A testemunha afirma que ele está entre os que "podem indicar fiscais que estão envolvidos no esquema de arrecadação indevida de dinheiro de comerciantes". A pessoa ouvida no inquérito cita um total de dez nomes de servidores.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Fazenda foi consultado sobre possíveis movimentações suspeitas de Silva. O Estado recebeu ontem uma denúncia afirmando que o diretor "mantém um barco de luxo em uma marina em São Sebastião, participando de campeonatos como o Rolex e oferecendo festas luxuosas em uma mansão".

A testemunha do MPE menciona o nome do subsecretário da Receita Municipal, Douglas Amato. No entanto, segundo a Prefeitura, "as investigações não encontraram indícios de participação efetiva no esquema do servidor".

Questionada a respeito das suspeitas sobre Silva, a Prefeitura afirmou apenas que aceitou o pedido de exoneração dele. "Nego qualquer envolvimento no 'esquema' citado e qualquer suspeita a respeito de meu patrimônio será oportunamente esclarecida", afirmou Silva, por e-mail. "Diante de minha indignação com relação às suspeitas levantadas, protocolei nesta data meu pedido de exoneração do cargo".

Antes de chefiar o setor de Cobrança, ele já foi responsável pela Divisão de Imunidades, Isenções, Incentivos Fiscais e Regimes Especiais. Como representante da gestão de Gilberto Kassab (PSD), ele chegou a prestar depoimento para dar informações a vereadores na cobrança do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) em 2009. Após o escândalo de fraudes no ISS, a gestão de Fernando Haddad (PT) voltou a investigar irregularidades no IPTU.

Afastamentos. Com Silva, já são nove funcionários que deixam cargos de confiança da administração Haddad. Ele foi o único que deixou o cargo voluntariamente. A última a ser exonerada foi Paula Sayuri Nagamati, também auditora fiscal de carreira, que estava como supervisora na Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Assistência Social (Smads).

Ela foi exonerada logo após vir à tona seu depoimento afirmando que o secretário municipal de Governo, Antonio Donato, havia recebido dinheiro do grupo. "É um cargo de confiança, a pessoa que a nomeou tem o direito de substituí-la. Em função da proximidade dela com o grupo envolvido, perdeu a confiança", disse Haddad. Segundo o prefeito, mais funcionários devem ser afastados. /ARTUR RODRIGUES, BRUNO RIBEIRO, FABIO LEITE e DIEGO ZANCHETTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.