Diretas já para técnico da seleção!

O timing é perfeito! Se toda Copa do Mundo coincide com ano de eleições para presidente da República no Brasil, por que não deixar o povo escolher, também nas urnas, o técnico da seleção que a cada 4 anos renova-se com as esperanças do hexa?

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2010 | 00h00

A CBF poderia até indicar uma lista com meia dúzia de candidatos ao cargo, mas a responsabilidade final pela definição do nome do treinador seria sempre creditada ao voto do torcedor. Que depois não reclame!

Em outubro próximo, todo brasileiro votaria para presidente, governador, senador, deputado federal e técnico da seleção. Diluída na logística do TSE, a consulta esportiva sairia a custo, praticamente, zero para o País. E ainda daria, de quebra, uma tremenda animada na campanha política que se encaminha para um enfadonho 0 x 0 nas pesquisas.

Guardada a independência dos pleitos, nada impediria, por exemplo, que a Dilma subisse no palanque do Felipão, a quem Serra prefere ver no Palmeiras.

Quem sabe, no futuro, vire praxe acumular as funções de técnico da seleção e vice-presidente da República, o que, convenhamos, dá pra conciliar tranquilamente, né não?

Tira, tira, tira!

A decisão da musa paraguaia Larissa Riquelme de tirar a roupa para pagar promessa de uma graça não obtida - a frustrada classificação de seu país para as semifinais da Copa - abre um precedente perigoso no Mercosul.

O fantasma de Maradona pelado continua rondando o obelisco de Buenos Aires.

Cacoete de popstar

Cristiano Ronaldo resolveu superar Michael Jackson em matéria de produção independente de filho. Em comunicado de nascimento de seu primeiro rebento, o craque português reserva-se o direito de manter o nome da mãe da criança em absoluto sigilo.

Forra

Chico Buarque voltou de Paris no fim de semana. Não suportou a gozação dos franceses pela eliminação do Brasil na Copa do Mundo.

Lembra dele?

E continua a caça às bruxas! Tem gente em Brasília falando em CPI do Guru do Dunga. Mais cedo ou mais tarde, o fiasco da seleção vai bater no tal Augusto Cury.

O clone

A Polônia elegeu presidente o irmão gêmeo do ex-presidente morto em recente acidente aéreo. Cá pra nós, parece novela do Manoel Carlos, né não?

Feminismo de Estado

Hillary Clinton passou o fim de semana entre o Azerbaijão e a Armênia, tentando resolver os conflitos na região separatista de Nagorno-Karabakh. É mais um passo importante na emancipação feminina, né?

Joaquim alemão

Joachim Löw, técnico da Alemanha, lembra um dos personagens daquela velha piada do Jô: "Era uma vez dois alemães, o Joachim e o Mahnöel..."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.