Dinheiro 'lavado' pelo PCC chega a R$ 199 mi

O Laboratório de Tecnologia Contra a Lavagem de Dinheiro (LAB) de São Paulo rastreou em seu primeiro ano de funcionamento cerca de R$ 199 milhões arrecadados com o tráfico de drogas e "lavados" pelo Primeiro Comando da Capital (PCC). A cifra corresponde a 60% dos R$ 331,7 milhões identificados pelo LAB. O restante da fortuna pertence desde a mafiosos estrangeiros a servidores corruptos.

Elvis Pereira, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2010 | 00h00

O balanço corresponde aos 24 dossiês produzidos entre agosto de 2009 e agosto deste ano. O laboratório é fruto de parceria entre o Ministério da Justiça e a Polícia Civil paulista. Os documentos revelaram que mais da metade dos bens e do dinheiro localizado está nas mãos de pessoas supostamente ligadas ao PCC, a exemplo do candidato a deputado Claudinei Alves dos Santos, o Ney Santos (PSC).

A facção recorre principalmente a contas bancárias abertas em nomes de familiares e "laranjas". "Você vai ver e a pessoa nunca trabalhou, não tem nada, não contribui para o INSS e tem aquele patrimônio todo", destaca o coordenador do LAB paulista, o delegado Robinson Fernandes. "Essa é a forma usual, mas eles também recorrem a lojas de carros e motocicletas para simular faturamentos."

Outros R$ 99 milhões em bens e dinheiro rastreados provêm de esquemas de narcotráfico e prostituição do exterior. "Pegamos uma rede de hotéis pertencente a um alemão que já é investigado na Alemanha e na Espanha." O LAB descobriu negócios de integrantes das máfias japonesa, italiana e russa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.