Dilma quer ''luta sem quartel'' contra drogas

Em discurso de improviso no seminário de criação dos Centros Regionais de Referência em crack e outras drogas, a presidente Dilma Rousseff disse que a luta pela erradicação do uso de entorpecentes "passa pelo combate ao crime organizado, por meio de controle de fronteiras".

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

18 Fevereiro 2011 | 00h00

Para Dilma, que defendeu "reforço ainda maior da Polícia Federal" é preciso "um combate sem quartel às drogas, tanto na entrada pelas fronteiras como nas estruturas de distribuição".

O governo federal pretende formar 14,6 mil profissionais nos centros de referência de 46 universidades federais e estaduais para auxiliar dependentes e familiares. Cada projeto de capacitação de 300 especialistas receberá até R$ 300 mil do Fundo Nacional Antidrogas. Depois de um ano, o governo espera ter formado profissionais em 844 municípios de 19 Estados. O plano prevê também aumento do número de leitos de internação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.