Diante de Niemeyer, Sambódromo do Rio é reinaugurado

O Sambódromo do Rio foi reinaugurado ontem com a presença de seu idealizador, o arquiteto Oscar Niemeyer. Aos 104 anos, ele viu seu desenho original sair do papel 28 anos após ser lançado. Pela primeira vez, desfiles terão arquibancadas contínuas dos dois lados. Até o ano passado, parte do setor par tinha apenas camarotes por causa de uma fábrica tombada da Brahma.

O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2012 | 03h01

Segundo o prefeito do Rio, Eduardo Paes, Niemeyer fez questão de estar presente. "Ele ligou e disse que queria vir. É o projeto mais popular dele, feito com muito carinho. E, para nós, é uma honra."

Foi a segunda visita do arquiteto à Sapucaí em uma semana. Na tarde de ontem, ele participou da inauguração de duas placas que marcam a passarela como espaço do samba e equipamento olímpico. O local será usado para prova da maratona em 2016, além de competições de tiro.

Antes da chegada de Niemeyer, Paes cortou a faixa inaugural. Em seguida, foi dada a largada a uma corrida simbólica de 5,5 km com mais de mil participantes, parte deles fantasiada.Também foram inauguradas frisas e camarotes, além de um novo sistema de sonorização. Ao todo, serão 12.500 lugares a mais na Sapucaí. As obras custaram R$ 30 milhões e foram custeadas pela Ambev. No início da noite, baianas fizeram a lavagem da pista, oficializando a entrega da Sapucaí aos cariocas e a abertura da avenida para o carnaval 2012. / SABRINA VALLE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.