Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Dia de protestos e máscaras termina com 7 presos e três feridos em SP e no Rio

Manifestantes fecharam a Avenida Paulista e entraram em confronto com a PM. No Rio, confusão foi localizada

Bruno Paes Manso e Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

05 Novembro 2013 | 23h57

O dia de protesto organizado pelo Anonymous na internet, que pretendia levar multidões às ruas em todo o País na noite de terça-feira, 5, e promover atos internacionais, foi tímido em São Paulo e no Rio. As manifestações começaram pacíficas, mas houve confrontos pontuais. Na capital paulista, foram 5 detidos e 3 feridos. No Rio, 2 manifestantes foram presos.

A concentração em São Paulo reuniu cerca de 100 pessoas no vão livre do Masp às 18h. O grupo fechou a Avenida Paulista, no sentido Paraíso, às 19h35. Havia manifestantes com a máscara de Guy Fawkes, figura histórica da Conspiração da Pólvora, ocorrida na Inglaterra no século 17. O personagem ficou famoso com o filme V de Vingança.

Às 20h, o grupo desceu a Avenida Brigadeiro Luís Antônio aos gritos de "guerra no Ibirapuera!". Às 20h05, foi feito um minuto de silêncio pelas vítimas da Polícia Militar. O grupo passou pelo Monumento das Bandeiras e pela Assembleia Legislativa e voltou à Paulista.

A confusão começou às 22h na esquina da Brigadeiro com a Paulista. Restavam 50 manifestantes, quando um deles soltou rojões. Segundo o major da PM Larri Saraiva, os detidos avançaram sobre a tropa. "A ação da PM foi proporcional à ação dos manifestantes", disse. Todos os presos foram levados ao 78.º Distrito Policial (Jardins).

Houve correria e duas pessoas ficaram feridas. Uma mulher foi golpeada no braço por cassetetes. Um jovem teve o nariz atingido e ficou com o rosto ensanguentado.

No Rio, o protesto reuniu 200 pessoas. Elas saíram da Candelária às 18h e seguiram pela Avenida Rio Branco até a Cinelândia. A PM acompanhou o ato. Um adolescente de 17 anos foi apreendido acusado de ter arrancado uma bandeira do Estado do Rio de um mastro e um rapaz de idade não revelada foi preso por portar pedras portuguesas.

Os protestos convocados pelo Anonymous também foram realizados nos Estados Unidos, Filipinas, Croácia, Polônia, Alemanha, Armênia, Líbano e Espanha. / ADRIANO BARCELOS, BRUNO PAES MANSO, FELIPE CORDEIRO, FELIPE WERNECK e MÔNICA REOLOM

Mais conteúdo sobre:
protestosanonymousmáscara

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.