Dia de panes: CPTM no pico da manhã e Metrô no da noite

Causada por quebra de cabo elétrico, 1ª falha foi em ramal que liga Itapevi a SP; 2º problema atingiu usuários da Linha 3

BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2012 | 02h02

O transporte sobre trilhos teve duas grandes panes ontem, ambas em horários de pico. A primeira, na parte da manhã, foi na Linha 8-Diamante da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), usada principalmente por moradores da região de Osasco que trabalham na capital paulista. À tarde, foi a vez da Linha 3-Vermelha do Metrô, que liga as zonas leste e oeste, apresentar problemas.

O Estado não informou quantas pessoas foram prejudicadas. A pane do Metrô foi perto da Estação Patriarca, na zona leste. Um equipamento de via - não detalhado pelo Metrô - apresentou defeito e obrigou os trens a circularem com intervalos acima do comum entre 16h40 e 18h30 - já dentro do horário de pico.

A operação não precisou ser paralisada, mas os trens ficaram mais tempo parados nas plataformas e o tempo de espera entre as composições aumentou em toda a linha. Na Estação Palmeiras-Barra Funda, no outro extremo do ramal, as filas ficaram do lado de fora da estação. A Linha 1-Azul (Tucuruvi-Jabaquara) também funcionou em velocidade reduzida por causa da pane.

CPTM. A falha ocorrida na CPTM - a terceira nos últimos cinco dias - demorou mais. Um cabo elétrico estourou às 5h10 entre as Estações Lapa e Palmeiras-Barra Funda, na zona oeste da cidade, interrompendo o fornecimento de energia para os trens. Para não parar a linha, a CPTM manteve a circulação nos dois sentidos por apenas um dos trilhos, o que também criou lentidão no ramal inteiro - o tempo de espera, normalmente de seis minutos naquela linha, chegou a durar 20 minutos.

Para evitar o acúmulo de passageiros nas estações, a CPTM chegou a desligar escadas rolantes e limitar o número de catracas abertas nas estações, o que gerou filas também do lado de fora das paradas. A operação só foi reestabelecida às 9h30.

Na segunda-feira, a CPTM teve uma falha de cinco horas na Linha 7-Rubi. Por causa do atraso no término de obras em execução justamente para melhorar o sistema, a operação que deveria começar às 4h só teve início às 9h. No dia seguinte, na mesma linha, a rede aérea foi danificada pela queda de uma árvore.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.