Detran abre no centro com pane no serviço da CET

Sistema de atendimento telefônico também teve dificuldades; desinformados, usuários foram ao prédio antigo

Marcela Spinosa, Naiana Oscar e Vitor Hugo Brandalise,

15 de setembro de 2009 | 09h23

O primeiro dia de funcionamento do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) em novo endereço, na Avenida do Estado, 900, na região central, foi de tempo perdido para os que precisaram do atendimento da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) - cujos serviços são independentes e diferentes dos prestados pelo órgão estadual. O problema foi provocado pelo sistema de informática da CET, que não foi instalado em tempo hábil para entrar em operação ontem. A companhia informou que encaminhou as pessoas para a unidade do Detran na Rua Boa Vista. Em outros casos, o serviço de apoio telefônico também deixou a desejar.

O coordenador de educação Luis Eduardo Urunda, de 38 anos, foi orientado a retornar hoje ao posto do Detran Centro para entrar com pedido de transferência de pontos de multa na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A informação foi passada logo na entrada do órgão, no balcão de informações. "Mandaram voltar amanhã. É ruim, porque perdemos tempo." Já o despachante Marco de Toledo, de 47 anos, saiu frustrado do novo prédio. "Relevo porque é o primeiro dia, mas eles tinham de arrumar o sistema durante a mudança", disse. Ele precisava entrar recurso contra multa e transferência de pontuação. A CET ainda oferece nas unidades do Detran serviços de cadastramento e liberação de veículo apreendido. Procurada, a companhia admitiu que a prestação de serviços na Avenida do Estado "ficou prejudicada" por um erro de configuração dos computadores. Segundo a companhia, o sistema ficou fora do ar entre 8 e 14 horas. Às 17 horas, porém, ainda não era possível usar o sistema.

O movimento ontem no edifício onde funcionava a Subprefeitura da Sé foi de cerca de 12 mil pessoas, segundo a assessoria do Detran. Os que estiveram lá saíram satisfeitos com a rapidez do atendimento, mas reclamaram da falta de informações e se sentiram perdidos no edifício de três andares. "Não sabia aonde ir, porque o painel de informações estava meio escondido. Depois de ficar meia hora na fila do balcão de informações, fui atendida rapidamente no setor", disse a manicure Dione dos Santos Arakaki, de 44 anos, que foi retirar a CNH. Na antiga sede do órgão, no Ibirapuera, zona sul, será instalado o Museu de Arte Contemporânea.

TELEFONE

A partir de agora, o Detran descentralizou os serviços. Mas aqueles que buscaram informações por telefone não tiveram sucesso ontem. Nos dois números do Detran, um do próprio órgão e outro da central de atendimento feita em parceria com o Poupatempo, ninguém atendia. Ontem a reportagem testou os dois números de telefones do departamento para esclarecer dúvidas dos usuários. Entre 15h30 e 16h25, foram feitas dez ligações para o número. Em nenhuma das tentativas, foi possível entrar em contato com um atendente.

O telefone 0800-7723633, operado pelo Poupatempo, passou a maior parte do tempo ocupado. Em três situações, a ligação foi atendida por uma gravação, que informava que todas as linhas estavam ocupadas e era preciso aguardar. Depois de dois minutos de espera, a ligação caía. No caso do Disque Detran, um telefone fixo convencional, o número chamava até cair. Segundo o Detran, dez funcionários trabalham exclusivamente no call center.

Ao longo de todo o dia, pessoas desavisadas foram ao antigo prédio do Detran, no Ibirapuera, tentando resolver problemas de documentação de veículos. A principal reclamação era quanto à falta de divulgação sobre a mudança. "Deveriam ter dado mais destaque para uma mudança assim, né? Reservei meu dia para resolver isso e, pelo visto, foi perdido", disse o motorista Antônio Carlos Teixeira, de 65 anos. "Eles me indicaram para ir lá na Boa Vista, mas saindo daqui ao meio-dia vou ser atendido no fim da tarde, se conseguir", reclamou o motorista, que pegou três conduções para ir da Casa Verde, na zona norte, até o Ibirapuera, na zona sul. "Tinham de colocar na TV, com destaque, para todo mundo ficar sabendo. Do jeito que foi, ninguém sabia de nada, muita gente apareceu aqui", disse a aposentada Inês Luja, de 62 anos.

Segundo os seguranças do Ibirapuera - encarregados ontem, com endereços marcados numa folha de papel, de informar sobre as alterações -, pelo menos cem pessoas estiveram no local, pensando que haveria funcionamento normal. O Detran informou que a mudança era "notória", pois havia sido divulgada na mídia. Além disso, o órgão afirma ter publicado aviso em jornais de grande circulação, em rádios e no seu website.

Mais conteúdo sobre:
DetranaberturacentroSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.