Despachantes ainda têm acesso facilitado em representações

Mesmo quando o processo é simples e eletrônico, como no da Austrália, há quem busque intermediários

O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2012 | 03h09

A movimentação nos consulados e a demanda por vistos fortalecem um mercado em São Paulo: o de despachantes. Principalmente nos casos em que todo o processo pode ser feito por terceiros, como na obtenção do visto chinês - o despachante pode fazer tudo no lugar do cliente, porque não há entrevista, só entrega de documentos.

No consulado chinês em São Paulo, a quantidade de despachantes na fila era maior do que a de pessoas avulsas tentando tirar o próprio visto. Em períodos de pico, como em épocas que antecedem as feiras de negócios que acontecem tradicionalmente em abril e outubro na China, cada despachante chega a entrar com até 40 pedidos de visto por dia. Por isso, o consulado fez reunião com um grupo de despachantes no mês passado e criou um cadastro e um guichê exclusivo. Ganharam uma fila separada e atendimento facilitado.

Mais caro. O visto chinês custa R$ 150 e os despachantes cobram até R$ 200 extras pelo serviço. Tem quem ache que vale. "Eles têm um sistema de senhas que nem sempre funciona, então preferi contratar alguém para fazer isso. Saiu o dobro do preço, mas não precisei me ausentar do trabalho nem me estressar", diz o advogado Maurício Melo, de 52 anos, que foi à China há dois meses.

"Conseguimos muitos clientes na frente do consulado, gente que não consegue ser atendido e tem urgência", diz Alexandre Pedrosa, da Infovistos. "O atendimento para os cadastrados é separado do público em geral, facilitado."

Alguns sites prometem até conseguir um visto chinês sem sair da frente do computador - você preenche o formulário online, paga o serviço com cartão de crédito, envia os documentos pelo correio e faz os contatos com o despachante por e-mail.

Já no consulado do Japão apenas os despachantes cadastrados e previamente aceitos podem prestar serviço. Há uma lista para consulta no consulado, que fica na Avenida Paulista.

Inglês. Para Marcelo Pinto, da Mundo dos Vistos, tem quem solicite o serviço de despachante mesmo quando o processo é simples, como no visto australiano eletrônico. "É tudo em inglês. Se pedem documentação adicional ou você deixa de mandar alguma coisa importante, complica. Por isso as pessoas ainda pedem orientação." / A.F., N.C. e A.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.