Deslizamento mata 3 em Petrópolis

Adolescente e duas meninas da mesma família estavam dormindo quando a chuva derrubou uma barreira de 50 metros sobre barraco

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2011 | 00h00

Uma adolescente de 14 anos e duas crianças de 8 - todas da mesma família - morreram soterradas em Araras, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. Segundo a Defesa Civil Municipal, por volta de 0h30, uma barreira de 50 metros de altura deslizou e caiu sobre o barraco onde a família dormia, na Favela Mata Cavalo II.

Os avós das meninas e outras duas crianças, de 3 e 9 anos, escaparam. No momento da tragédia, chovia forte na região. Cerca de 40 mil pessoas moram em áreas de risco na cidade, segundo o Comitê de Ações Emergenciais. As chuvas dos dois últimos dias deixaram 18 desalojados e duas famílias desabrigadas. Em Teresópolis, cidade vizinha, 139 pessoas estão desalojadas e 40 casas, interditadas.

No noroeste do Estado, os municípios de Santo Antônio de Pádua, Bom Jesus de Itabapoana, Italva e Cambuci decretaram estado de emergência. Cinco rios da região transbordaram e cerca de 10 mil pessoas foram removidas de áreas de risco em Santo Antônio de Pádua. A Defesa Civil do município informou que 90 pessoas estão desalojadas e 20, desabrigadas.

O Rio Itabapoana, que divide o Espírito Santo e o Rio, também transbordou e provocou a mudança das famílias ribeirinhas.

Ontem, o governador Sérgio Cabral (PMDB), determinou o envio de reforço para os bombeiros das cidades afetadas. Só para Petrópolis foram enviados 100 colchões, 100 cobertores e 100 kits de roupa de cama com toalhas, lençóis, fronhas e travesseiros. Até o dia 30, o número era de 7.108 pessoas desalojadas e 4.333 desabrigadas em todo o Estado.

Em Campos, no norte do Rio, o esgoto inundou as casas da localidade de Ururaí. Na mesma cidade, 30 famílias que moram na Ilha do Cunha estão abrigadas em uma escola municipal.

Estradas. A RJ-163, principal via de acesso à região turística de Visconde de Mauá, em Resende, no sul do Estado, permanece interditada desde o dia 31 por causa da queda de uma barreira no km 20. Para chegar até a cidade, os motoristas têm de enfrentar uma rota alternativa que aumenta a viagem em 50 quilômetros.

No norte fluminense, o transbordamento do Paraíba do Sul alagou a RJ-196. A rodovia segue alagada do entroncamento com a RJ-194 até o distrito de Gargaú.

Bumba. Na tarde de ontem, a prefeitura do Rio decretou estado de atenção. Em abril do ano passado, a chuva provocou mais de 50 mortes na cidade. Em todo o Estado, as chuvas provocaram 182 mortes naquele mês.

Alguns ex-moradores do Morro do Bumba, em Niterói - local que desmoronou nas chuvas de abril de 2010 - ainda estão abrigados no 4.º Grupo de Companhias de Administração Militar (GCAM), na mesma cidade.

Ontem, a Comarca de São Gonçalo, no Rio, concedeu liminar que determina que a prefeitura de Niterói não pode tirar os moradores do GCAM. O Ministério Público do Rio havia ajuizado uma ação civil pública para evitar que as famílias fossem transferidas para o 3.º Batalhão de Infantaria, em São Gonçalo, onde há mais de 200 alojados. O juiz determinou que a prefeitura adote, no prazo de 180 dias, as medidas necessárias para o atendimento das famílias abrigadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.