Desalojados do incêndio no Jaguaré deixam o prédio do CDHU

Prefeitura deve identificar e dar auxílio aos integrantes do grupo que moravam na favela destruída pelo fogo

Daniela do Canto, da Central de Notícias, e Cristiane Bomfim, do Jornal da Tarde ,

12 de outubro de 2009 | 19h21

As famílias que invadiram o prédio de um conjunto da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) na Avenida Alexandre Mackenzie, no Jaguaré, zona oeste de São Paulo, na tarde desta segunda-feira, 12, desocuparam o local. Por meio de um cadastramento, a Prefeitura deve identificar e dar auxílio aos integrantes do grupo que moravam na Favela Diogo Pires, destruída por um incêndio na noite do domingo, 11.

 

Veja também:

link Soninha Francine faz desabafo no Twitter

mais imagens Fotos da tragédia

mais imagens Fotos dos desabrigados

 

O incêndio na favela Diogo Pires começou por volta das 17h50 e atingiu, segundo o Corpo de Bombeiros, uma área de cerca de 800 metros quadrados, o que exigiu o trabalho de 85 bombeiros e 26 viaturas no combate ao fogo. Três pessoas foram atendidas ontem, no Pronto-Socorro da Lapa, mas sem ferimentos graves.

 

De acordo com o Corpo de Bombeiros, apenas 5% da área de dois mil metros quadrados da favela escapou de ser atingida pelas chamas, que destruíram mais de cem barracos. Ainda segundo a corporação, não houve vítimas. As causas do fogo são desconhecidas, mas moradores alegam que ocorreu curto-circuito em uma fiação.

 

(Com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
incêndioJaguaréCDHU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.