Desafio é parar de usar carro para tudo

Estudiosos dizem ser necessárias ações drásticas para mudar cultura do automóvel

, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2010 | 00h00

Se a grande quantidade de carros por habitante é um indicador importante para medir os transtornos nas ruas, o hábito de usá-los para se locomover no dia a dia agrava o problema. A cultura do carro explica porque a população de capitais como São Paulo, Rio e Brasília, apesar de ter proporcionalmente menos automóveis do que a de cidades europeias, sofre mais com congestionamentos.

"A cultura brasileira do carro é forte e isso acaba complicando o cotidiano das cidades. Na Europa, por exemplo, a população tem carro, mas o deixa em casa e dirige nos fins de semana", explica o americano Jonas Hagen, representante no Brasil do Institute for Transportation & Development Policy (ITDP).

Em Curitiba, cidade que lidera o ranking das capitais, o uso moderado do carro ajuda a diminuir os impactos no tráfego. Só 22% da população usa o automóvel no cotidiano, segundo dados do Instituto de Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC).

A proporção fica bem abaixo dos municípios da Grande São Paulo, onde 45% dos habitantes se locomovem por carros, de acordo com a pesquisa Origem e Destino do Metrô. "Assim como nas demais cidades, a situação em Curitiba piorou nos últimos anos. Buscamos investir em calçadas, ciclovias e em um sistema de transporte integrado para ajudar a desestimular o uso do carro", diz o presidente do IPPUC, Clever Teixeira de Almeida.

A capital paranaense tem hoje 81 quilômetros de canaletas estruturais para circulação de ônibus rápidos, mais de 100 quilômetros de ciclovia e investe preferencialmente na expansão das calçadas.

Morador da Mooca, em São Paulo, o administrador de empresas Francisco Violi, de 53 anos, afirma que a paixão por carros dos paulistanos decorre acima de tudo da necessidade do automóvel para se locomover. Violi é colecionador de carros antigos. Tem três DKVs e um Corcel, que só tira da garagem nos fins de semanas ou em viagens. No dia a dia, anda de picape.

Mesmo morando a 15 minutos a pé do metrô, ele justifica que caminhar é pouco convidativo. "Para pegar o metrô, teria de passar por áreas degradadas e perigosas. Há ainda os hipermercados e shoppings, atividades que acabam pedindo carro. Mesmo com congestionamento, basta colocar uma música dentro do carro e procurar relaxar."

Para Ronaldo Balassiano, professor do programa de engenharia dos transportes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a mudança da cultura do automóvel pede mais do que investimento em transporte coletivo. É preciso, por exemplo, restringir estacionamentos ou criar pedágios urbanos.

Balassiano cita o exemplo de Londres, que debateu a restrição de carros no centro por 25 anos antes de iniciar a cobrança de taxas para automóveis. O professor afirma também ser fundamental criar agências capazes de pensar em sistemas integrados inteligentes de transporte, além de regulamentar e fiscalizar os serviços. Ainda é necessário planejar em conjunto com municípios vizinhos. "Fala-se em investimento em transporte público como saída única. Mas o desafio é mais complexo. Mudar a cultura do carro é difícil, mas fundamental nas grandes cidades."

Terra do automóvel. Fazer parte da população migrar para o transporte coletivo é um desafio enfrentado por São Caetano do Sul, que tem o maior índice de carros por habitante. Berço de montadoras de automóveis, a cidade enfrenta um aumento contínuo na frota, embora a geografia não permita avanço no sistema viário. "Nós temos um problema com espaço, mas por outro lado é uma cidade onde todos são apaixonados por automóveis", diz o secretário da Mobilidade Urbana, Marcelo Ferreira de Souza.

Uma das tentativas da prefeitura é tentar manter baixa a tarifa de ônibus - R$ 1,30. Mas só isso não é suficiente, pois grande parcela da população tem alta renda. "Por isso vamos investir em um sistema com ônibus executivo, mesmo que a tarifa seja mais cara. É uma aposta para incentivar o transporte coletivo", diz o secretário. / BRUNO PAES MANSO e RENATO MACHADO

TRÊS PERGUNTAS PARA...

Carlos Campos,CONSULTOR DE MONTADORAS

1. Por que o carro exerce tamanho fascínio entre os brasileiros?

O carro é mais ou menos como a roupa. É a forma como o dono se apresenta para a sociedade. Está presente no dia a dia e revela um pouco da personalidade do proprietário.

2. Os congestionamentos infernais diminuem a demanda por carros?

Não há relação. É mais fácil o consumidor mudar seus hábitos na cidade. Mora mais perto do emprego, sai para o trabalho mais cedo ou põe o filho em escola vizinha.

3. Qual o reflexo do aquecimento das vendas em São Paulo?

Fora os congestionamentos, vemos novas tendências. Duas delas são as concessionárias e estacionamentos verticais, que começam a surgir por falta de espaço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.