Desafio é ganhar tempo em solo

'Tentamos fechar a porta 10 minutos antes'

O Estado de S.Paulo

15 Dezembro 2013 | 02h02

O investimento das companhias aéreas para acelerar procedimentos de check-in foi necessário para acompanhar o número de passageiros no País, que passou de 37 milhões, em 2003, para 107 milhões em 2012. "Nós trabalhamos para ganhar tempo enquanto a aeronave estiver no solo, nunca em voo. Então tentamos fechar a porta (do avião) dez minutos antes. Existe um trabalho, não só com os pilotos, mas com todo o staff da companhia, no sentido de agilizar essa operação com o passageiro", afirma Adriano Castanho, do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA). De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o embarque pode ser iniciado com 30 minutos de antecedência em relação à partida do voo.

Se houve uma tentativa de acelerar os procedimentos nessa etapa prévia, após o fechamento das portas os passageiros percebem que o avião demora para partir. "Antes, a gente ficava de lá para cá no Aeroporto de Congonhas, mudando de portão. Agora, as companhias estão fazendo tudo muito rápido: realizam o check-in e chamam os passageiros no horário para embarcar", diz Eliana Aparecida da Silva, assessora pedagógica que costuma voar com frequência a trabalho desde 2004. "Mas, aí, quando fecham a porta do avião, vem a gravação de que as portas foram fechadas antes do horário. Só que, no último voo que peguei, eu fiquei dez minutos em solo esperando para decolar. E eles querem dizer que não estão atrasados."/ M.R. e R.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.