Desabastecimento de água já afeta 34 escolas de São Paulo

‘Lista seca’ da Prefeitura tem ainda 15 unidades de saúde; Sabesp diz que presidente da companhia está em contato com Haddad

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2014 | 03h00

Atualizado às 11h25

SÃO PAULO - Levantamento feito com a Prefeitura de São Paulo na tarde desta quarta-feira, 15, relata problemas de desabastecimento em 34 das 2.768 escolas da rede municipal de ensino e em 15 unidades de Saúde - de unidades básicas e clínicas especializadas a centros de atenção psicossocial para crianças.
Segundo a Secretaria Municipal de Educação, as escolas que estão com problemas têm informado a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e feito pedidos de caminhões-pipa. “Todas as escolas têm caixa d’água. O reservatório permite que desabastecimentos temporários não impeçam o funcionamento normal da unidade” diz a secretaria, em nota. Entretanto, a pasta admite que os alunos de ao menos uma unidade - a Escola Municipal de Educação Infantil Almirante Tamandaré, na Mooca, zona leste - já dispensou os alunos por falta de água.

O cenário esperado, entretanto, não é animador. “O diagnóstico foi realizado entre os dias 13 e 14 de outubro, com alguns casos pontuais, e deve ser estendido para todas as unidades a partir do dia 20, quanto se encerra o recesso, por causa do Dia do Professor”, informa a Prefeitura.

Já entre os equipamentos públicos de Saúde, as unidades com problemas estão sendo orientadas a receber os usuários e “realizar os procedimentos possíveis”. 

Entretanto, a Coordenação de Vigilância em Saúde diz que “por questões sanitárias não é permitido o funcionamento de um serviço de saúde - seja este público ou privado -, se não há fornecimento de água”, porque as equipes precisam, por exemplo, lavar as mãos antes do atendimento. As unidades também têm usado caminhões-pipa. 

A Sabesp informou na manhã desta quinta-feira, 16, que a presidente da companhia, Dilma Pena, está em contato direto com o prefeito Fernando Haddad (PT) para que sejam fornecidos os endereços das escolas com problemas de abastecimento.

A companhia acrescentou que essas escolas vão receber o apoio de caminhões-pipa para que não tenham qualquer problema de abastecimento e que não precisem interromper as aulas.

Tudo o que sabemos sobre:
crise hídricaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.