Desabamentos matam 3 pessoas em Salvador

No caso mais grave, um prédio de sete andares em construção - sem alvará - desmoronou em cima de uma casa

Tiago Décimo / SALVADOR, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2010 | 00h00

A Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município de Salvador (Sucom) informou ontem que a empresa responsável pela construção do prédio de sete andares que desabou na noite de sábado - Marques Lima Construções Ltda. - não tinha alvará para a construção do edifício.

Segundo vizinhos, o prédio estava pronto, mas ainda não havia moradores no local - os apartamentos seriam entregues a partir de ontem.

O desabamento do Edifício Guaratinga, localizado no bairro de Pernambués, ocorreu por volta das 19 horas de sábado. Chovia muito na região e uma encosta atrás do prédio teria cedido, empurrando toda a estrutura.

No desmoronamento, uma casa vizinha do prédio foi atingida e também ruiu. Os moradores - Nívea Moura e seus dois filhos, de 7 e 8 anos - ficaram soterrados. As crianças foram resgatadas pouco depois do desastre sem ferimentos graves, mas a mãe não resistiu. Seu corpo foi encontrado na tarde de ontem. Um homem de 19 anos, que seria primo de Nívea, também foi retirado sem vida do local.

Um homem apontado como o segurança da obra ainda estava desaparecido até o início da noite de ontem. Os responsáveis pela Marques Lima Construções não foram encontrados para comentar o desabamento.

Casarão. Não foi o único desmoronamento do fim de semana em Salvador. Um casarão de três andares tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) na Ladeira da Conceição da Praia, no centro histórico de Salvador, também ruiu na madrugada de anteontem, matando uma mulher e ferindo três homens.

O imóvel abrigava um bar no térreo e, nos andares de cima, tinha quartos usados por prostitutas. Segundo a Defesa Civil de Salvador (Codesal), já era considerado com "alto risco de desabamento".

Chuva. Dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) mostram que choveu, desde o início do mês, mais do que o dobro do esperado para julho em Salvador. Apesar de o clima ter melhorado ontem, ainda houve diversos problemas em Salvador. De manhã, por exemplo, voos chegaram a ser atrasados em uma hora e meia no aeroporto, depois que os técnicos verificaram a existência de uma elevação, com rachadura, na pista de pouso, causada pela infiltração de água.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.