TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Dersa propôs pagar mais que perícia por área no Rodoanel

Estatal ofertou R$ 24 mi, enquanto técnico sugeriu R$ 12,9 mi; lotes são disputados por empresa e família de Celso Russomanno

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

15 de abril de 2016 | 03h00

SÃO PAULO - A Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) ofertou R$ 24 milhões para desapropriar duas áreas com 46 mil m² na zona norte de São Paulo que são alvo de disputa entre uma empresa e a família do deputado federal Celso Russomanno (PRB) para a construção do Trecho Norte do Rodoanel. A quantia foi quase o dobro do valor calculado depois por uma perícia judicial (R$ 12,9 milhões) e que acabou sendo pago pela estatal. 

A Dersa afirma que havia “deficiências documentais” para avaliar o valor das áreas, que ficam no km 81 da Rodovia Fernão Dias, no Jardim Tremembé. Por isso, diz, procurou a Justiça e aguardou o laudo da perícia para efetuar o pagamento. Foi com base em uma avaliação feita pela Dersa, responsável pela obra, que a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) apresentou, em setembro de 2015, ação de desapropriação com propostas de R$ 537 por m², em um terreno, e R$ 447 por m², em outro, em face da Empresa de Terrenos Cabuçu, que se apresentou à Justiça como dona das áreas, e de outros seis proprietários, entre eles Geraldo Russomanno, avô do deputado, morto em 1986. 

A oferta foi aceita pela empresa, mas o juiz da 14.ª Vara da Fazenda Pública da capital nomeou um perito que reduziu os valores quase pela metade (R$ 279/m² e R$ 271/m²). Com o laudo, o juiz Randolfo Ferraz de Campos expediu o mandado de imissão de posse à Dersa pelo valor de R$ 12,9 milhões.

O valor foi contestado pela Cabuçu. “Geralmente a oferta da expropriante (Dersa) é mais baixa. Neste caso, achamos que o valor era bom, justo, mas o juiz decidiu nomear um perito e o valor caiu pela metade. Contratamos um assistente técnico e vamos mostrar que o laudo do perito está equivocado”, disse o advogado Vicente Paolillo.

Foi só após a publicação da ação no Diário Oficial que a família de Russomanno, segundo o deputado, tomou conhecimento do caso. Em dezembro, o pai dele, Ubirajara Russomanno, encaminhou petição à Justiça solicitando garantia do quinhão da família no processo da área, adquirida em 1929. Ele morreu em fevereiro.

“Ainda não conseguimos nos habilitar no processo. Percebemos que a Cabuçu estava tentando dar um ‘passa-moleque’ na nossa família. Para nós é indiferente o dinheiro que vai ser pago pelo poder público, desde que parte do meu avô seja paga para a nossa família”, disse o deputado Celso Russomanno.

Este é o primeiro caso identificado pelo Estado no qual o valor ofertado pela Dersa para desapropriar uma área foi maior do que o preço fixado depois pela Justiça. A empresa afirma ser vítima de um suposto esquema envolvendo advogados e peritos de Guarulhos para superfaturar o valor das desapropriações - são 571 processos.

Os desvios, que podem chegar a R$ 1,3 bilhão, são alvo de investigação do Ministério Público Estadual (MPE). As diferenças de valores já elevaram os custos previstos com desapropriação no Rodoanel de R$ 1,2 bilhão para R$ 2,5 bilhões.

Estatal diz que detectou problema e acionou Justiça

A Dersa afirmou em nota que “detectou deficiências documentais” na análise que resultou na proposta de R$ 24 milhões para desapropriar os dois terrenos do Jardim Tremembé para a construção do Trecho Norte do Rodoanel e, a partir dessa constatação, “judicializou unilateralmente a questão, aguardou a opinião do perito do juízo, e nunca depositou R$ 24 milhões, mas R$ 12,9 milhões” avaliados pela perícia.

A Dersa disse ainda que “mesmo quando o expropriado manifestou intenção de aceitar o valor inicial de R$ 24 milhões, o Estado expressamente rejeitou a proposta”. A companhia informou também que trabalha para proporcionar aos desapropriados “uma justa indenização pelos seus imóveis, resguardando desse modo os direitos dos proprietários e o interesse público” e que e “por encontrar indícios de irregularidades nos laudos elaborados por peritos judiciais”, solicitou ao Ministério Público Estadual que apurasse o caso. 

Mais conteúdo sobre:
RodoanelSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.