Deputados irão aos EUA acompanhar análise da caixa-preta

Os nomes dos parlamentares ainda não foram definidos; caixa-preta é do Airbus da TAM, que explodiu na terça

Eugênia Lopes, do Estadão

20 de julho de 2007 | 18h08

A comissão parlamentar de inquérito (CPI) da Câmara dos Deputados que investiga a crise no setor aeronáutico aprovou, em reunião de emergência, a ida de dois deputados aos Estados Unidos para acompanhar a degravação da caixa-preta do Airbus da TAM que explodiu no Aeroporto de Congonhas, na terça-feira, matando pelo menos 190 pessoas. Os dois deputados ainda não foram escolhidos. Lista de vítimas do acidente do vôo 3054  O local do acidente  Quem são as vítimas do vôo 3054  Histórias das vítimas do acidente da TAM  Galeria de fotos  Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Cronologia da crise aérea  Acidentes em Congonhas  Vídeos do acidente  Tudo sobre o acidente do vôo 3054  Na reunião da CPI, que já dura mais de quatro horas, foi aprovada também a convocação de autoridades do setor aeronáutico para falarem sobre o acidente com o avião da TAM. Para terça-feira à tarde, a CPI marcou depoimento do vice-presidente da TAM, Rui Amparo, e para quarta-feira, do presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton. A CPI aprovou ainda a convocação - mas ainda não marcou a data dos depoimentos - do diretor do Centro de Investigações e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), brigadeiro Jorge Kersul Filho, do presidente da TAM, Marco Antonio Bologna, do presidente de Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), brigadeiro José Carlos Pereira, do presidente da Pantanal Linhas Aéreas, Marcos Sampaio Correia, do superintendente de Engenharia da Infraero, Armando Schneider Filho, e do presidente da Associação Brasileira de Pilotos, George Sucupira.  Para a próxima segunda-feira (23), os integrantes da CPI planejaram fazer uma diligência no setor de manutenção da TAM, em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.