Metrô
Metrô

Deputado evangélico quer nome de pastor em estação do Metrô​ em SP

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) já homenageou o mesmo pastor ao alterar o nome da Faculdade de Tecnologia (Fatec) Ipiranga

Juliana Diógenes e Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2017 | 12h40
Atualizado 22 de fevereiro de 2017 | 16h43

SÃO PAULO - Um projeto de lei do deputado estadual evangélico André Soares (DEM) quer homenagear um pastor mudando o nome da Estação Vila Mariana do Metrô, na zona sul de São Paulo. Após ter sido vetada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) em dezembro do ano passado, a proposta volta a ser debatida em comissão na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) nesta quarta-feira, 22.

Dois dias após o veto, o governador publicou um decreto em que alterava o nome da Faculdade de Tecnologia (Fatec) Ipiranga, também na região sul, para homenagear o pastor Enéas Tognini.

Soares sugere que a estação passe a ser chamada "Enéas Tognini-Vila Mariana". Na justificativa, o autor da proposta argumenta que "o homenageado, vale ressaltar, tem especial relação com a região" da Vila Mariana. "Afinal, a sede da Igreja Batista do Povo fica na Rua Domingos de Morais, 1100, próxima à Estação Vila Mariana", explica o parlamentar, que é membro da Igreja Internacional da Graça de Deus, fundada por seu pai, o missionário R.R. Soares.

O projeto foi submetido pelo deputado dois meses após a morte de Enéas Tognini, ocorrida em setembro de 2015. Tognini nasceu em Avaré, no interior, formou-se em Teologia e foi o fundador da Igreja Batista do Povo. 

Um abaixo-assinado virtual, contrário à mudança circula, acumula até esta quarta-feira quase 40 mil apoiadores. No texto, os críticos à alteração argumentam que "não agregará nada para a população paulistana, além dos gastos desnecessários com a mudança de toda comunicação do Metrô, que sairá dos cofres públicos".

Veto. Na justificativa jurídica, o autor do projeto explica que o Metrô "é uma sociedade de economia mista" e que "suas estações se equiparam a bens públicos". No veto, porém, Alckmin nega essa relação, argumentando que o Metrô é regido pelo "direito privado": "A empresa detém autonomia para gerir os bens que integram o seu patrimônio, dentre os quais se incluem suas instalações, que não se equiparam a prédios ou repartições públicas".

Após o veto, a proposta voltou à Assembleia. Há uma semana, porém, o deputado estadual e pastor evangélico Gilmaci Santos (PRB) votou contrário ao veto do governador - portanto, favorável à mudança o nome da estação.

Santos é relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que nesta quarta vai debater o voto do deputado. ​Caso a Comissão acompanhe o voto do relator, o projeto voltará a ser discutido também pela Comissão de Transportes e Comunicações e poderá ir a plenário. ​

A assessoria de imprensa de Santos informou que o relator votou contra a decisão de Alckmin por acreditar que o debate seja de competência do Legislativo. 

Já a assessoria do autor do projeto, deputado André Soares, manifestou-se por nota. "O projeto de lei nº 1626/2015, de fato, foi vetado pelo governador Geraldo Alckmin e, como consequência, segue o trâmite regimental, retornando para a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Inicialmente, a proposta será analisada pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação, a fim de se verificar a constitucionalidade da matéria; em seguida, será examinada pela Comissão de Transportes e Comunicações, responsável por apreciar o mérito, apoiando a manutenção ou derrubada do veto. Só então seguirá para o plenário para votação, atendendo à ordem do dia."

Questionada sobre o veto de Alckmin e o abaixo-assinado da sociedade civil, a assessoria de Soares não comentou até a publicação desta matéria.

Fatec. A homenagem ao pastor já causou outra mobilização no início do ano. O governador publicou no Diário Oficial do Estado, no dia 31 de dezembro, um decreto em que alterava o nome da Fatec Ipiranga, na mesma região da estação, para acrescentar o nome do religioso. 

A homenagem foi uma surpresa para alunos e professores da Fatec, que disseram que a mudança não foi discutida previamente. Os estudantes fizeram um abaixo-assinado, que reuniu mais de 1,7 mil assinaturas, pedindo a anulação do decreto. 

Eles defendem que o nome do pastor em uma faculdade pública desrespeita a multiplicidade de crenças e culturas dos que ali estudam. "Uma faculdade composta por alunos de diversas religiões e culturas não é de forma nenhuma representada pelo pastor Enéas Tognini", diz o documento. 

Os estudantes também ressaltam não reconhecer nenhuma contribuição do religioso. "(É) uma homenagem a um aliado do governo, que além de ter apoiado a ditadura militar, nada fez em prol da educação, da tecnologia, da comunidade do bairro Ipiranga e muito menos pela própria faculdade e alunos."

À época, o governo do Estado disse que o pastor desenvolveu "diversas atividades docentes, tendo sido professor e orientador educacional", além de ser um "importante líder cristão protestante". 

Também informou que a escolha de nomes para edifícios e equipamentos públicos é "legalmente uma prerrogativa do governador". E informou que outras nove Fatecs e escolas técnicas (Etecs) têm nomes de religiosos - no dia 5 de janeiro, foi aprovada a mudança do nome da Fatec do Jardim São Luiz, na zona sul, para homenagear d. Paulo Evaristo Arns. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.