Depósito de medicamentos é alvo de bandidos pela 2ª vez em uma semana

Após primeiro assalto, policiais descobriram que bando iria retornar para roubar o mesmo local, na zona sul de São Paulo

Bruno Lupion e Ricardo Valota, do estadão.com.br,

12 de maio de 2010 | 03h56

 

SÃO PAULO - A Polícia Civil impediu na madrugada desta quarta-feira, 12, por volta da 1 hora, o roubo de lotes de medicamentos de alto custo armazenados em um centro de distribuição do governo do Estado, na Vila Mariana, zona sul da capital. Há uma semana, o mesmo local foi invadido por oito homens armados, que roubaram um lote avaliado em R$ 3 milhões e abandonaram a carga ao notar que ela era rastreada.

 

O centro de distribuição, localizado na Rua Domingos de Moraes, nº 1947, fica no mesmo prédio de um posto de saúde e armazena remédios caros, indicados para o tratamento de câncer, diabetes e hepatite, distribuídos apenas para pacientes cadastrados. Uma ampola de 50 ml do medicamento "Mabthera", por exemplo, custa R$ 6 mil e deve ser administrada a cada 21 dias para pacientes com câncer, segundo o delegado Anderson Pires Giampaoli, da 2ª Delegacia de Crimes Contra a Saúde Pública.

 

Na segunda-feira, 10, uma denúncia anônima alertou a Secretaria Estadual de Saúde e a Polícia Civil montou uma operação para frustrar o roubo, com apoio de 40 policiais. Durante o dia, funcionários do centro de distribuição foram substituídos por policiais e, à noite, uma equipe à paisana ficou de prontidão em frente ao local.

 

A ação começou no início da madrugada, quando três suspeitos estacionaram na entrada lateral do centro, passando-se por técnicos da NET. Eles ocupavam um Gol branco e uma Fiorino branca, com escadas caracterizadas com o adesivo da empresa. No momento em que o grupo tentava cortar os cabos de telefonia e arrombar o portão, os policiais agiram. Houve troca de tiros e dois homens conseguiram fugir. Pedro Rodrigues da Silva, 23 anos, técnico em telecomunicações e funcionário da NET há três anos, foi preso em flagrante por tentativa de roubo, segundo o delegado Giampaoli. Ele vestia uma jaqueta com logotipo da NET e alegou que havia sido rendido pelos outros dois indivíduos.

 

Giampaoli disse que os assaltantes tentaram cortar os cabos de telefonia para desligar o monitoramento remoto do centro, que tem câmeras de segurança. À noite apenas um vigia fica no local. A polícia investigará se a ação está relacionada ao crime da semana anterior.

 

Roubo

 

Oito homens armados renderam os funcionários na manhã da última quarta-feira, 5, após se passarem por pacientes. O grupo roubou mais de 200 caixas de medicamentos e fugiu em uma van, mas abandonou o lote na Rua Rodrigo Vieira, próxima à avenida Ricardo Jafet, após perceber que era rastreado. O veículo, que tinha placas vermelhas e adesivos da Prefeitura de São Paulo colados na lataria, era roubado. Na ocasião ninguém foi preso e o caso foi registrado na Delegacia de Vila Clementino (16ºDP).

Tudo o que sabemos sobre:
assaltoSecretariamedicamentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.