Depois de dois anos, Sorocabana reabre como ambulatório médico

Um dos dois prédios do centro hospitalar foi recuperado; outro tem móveis entulhados e está parcialmente demolido

O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2012 | 03h04

Fechado desde 2010 por questões financeiras, o Hospital Sorocabana, na Lapa, zona oeste, foi reaberto no início de junho como Assistência Médica Ambulatorial 24 horas (AMA). O hospital, que pertencia à Ferrovia Paulista S/A (Fepasa), foi municipalizado em janeiro e, depois de passar por algumas reformas, já está atendendo pacientes no pronto-atendimento.

O Sorocabana ocupava dois prédios. Até o momento, a Prefeitura reformou apenas a área de atendimento de urgência, que ocupa o primeiro andar do edifício com entrada pela Rua Catão. O prédio maior, que era utilizado para internações e cuja entrada era feita pela Rua Faustolo, ainda está fechado. Pelo lado de fora, é possível ver móveis entulhados e os muros que cercam o prédio estão parcialmente demolidos. O lugar é utilizado como estacionamento e tem capacidade de 200 carros.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a AMA 24 horas está preparada para atender a casos de pediatria, clínica médica, cirurgia e traumato-ortopedia. A AMA Especialidade (AMA-E) oferece também consultas previamente marcadas para casos de cardiologia, endocrinologia, urologia, reumatologia, neurologia, ortopedia clínica e vascular. Segundo a SMS, outras três especialidade serão inauguradas em breve.

A aposentada Maria Aparecida Bacheschi, de 81 anos, conta que moradores do bairro sofreram quando o hospital foi fechado. "O Sorocabana era o único que a gente tinha aqui na região. Não poderíamos ter perdido esse espaço para sempre."

Nos últimos dois anos, Maria Aparecida foi encaminhada a outros hospitais distantes da Lapa.

"Precisei de uma especialidade e me mandaram para lá do Sacomã (na zona sul). Não tenho carro nem dinheiro para táxi. Imagine passar duas horas no ônibus morando a duas quadras do Sorocabana."

O fechamento também influenciou o comércio local. O jornaleiro José Corte Real, de 70 anos, afirma que 80% do movimento caiu. "Se já não trabalhasse com isso há 27 anos, teria fechado as portas."

Nos primeiros dez dias de funcionamento, a AMA 24 horas atendeu uma média de 100 pacientes por dia. Na AMA-E, 50% da agenda já está ocupada. O potencial das unidades, porém, é bem maior. Até 15 mil pacientes podem ser atendidos por mês no setor de emergência e 5 mil consultas podem ser marcadas.

A Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Saúde afirmou que ainda não é possível informar quando o Hospital Sorocabana será reaberto para internações. Em janeiro, quando foi municipalizado, a Prefeitura disse que 120 leitos seriam abertos para internação até o início de 2013.

História. O Hospital Sorocabana foi inaugurado em 1955 para atender os funcionários da Fepasa. Ao longo dos anos, o hospital foi se degradando e fechou por problemas financeiros. Segundo vizinhos, a instituição não pagava médicos nem funcionários e tinha R$ 380 milhões de dívidas. / J.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.