Depois de 19 horas, Defesa divulga nota sobre acidente da TAM

A nota, assinada pelo ministro Waldir Pires, afirma que as autoridades aeronáuticas já iniciaram as investigações

Rosana de Cassia, da Agência Estado,

18 de julho de 2007 | 13h05

Depois de 19 horas do acidente com o Airbus 320 da TAM, no Aeroporto de Congonhas, o Ministério da Defesa divulga a sua primeira nota, manifestando pesar e consternação. A nota, assinada pelo ministro Waldir Pires, afirma que as autoridades aeronáuticas já iniciaram as investigações sobre as causas do acidente e que desde ontem o comandante Juniti Saito está em São Paulo acompanhando as primeiras investigações. E ressalta que, enquanto os resultados das investigações não forem concluídos, o melhor será manter a sobriedade para evitar julgamentos precipitados. Veja também: Lista das 186 vítimas do acidente O local do acidente Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Os piores desastres aéreos do Brasil A cronologia dos acidentes em Congonhas Conheça o Airbus A320 Galeria de fotos Assista a vídeos feitos no local do acidente Conte o que você viu e o que você sabe       A íntegra da nota é a seguintes: "Com imenso pesar, acompanhamos a enorme dor sofrida pelos parentes e amigos das vítimas do acidente aéreo ocorrido na noite desta terça-feira (17/7), na cidade de São Paulo. Neste momento, manifesto, em meu nome e em nome do governo, profunda solidariedade e consternação, sentimento que atinge todos os brasileiros, unidos, neste sofrimento.   Informamos que as autoridades aeronáuticas - no exercício de sua competência - já iniciaram os procedimentos investigatórios para identificar a causa do acidente, cujos resultados devem ser divulgados tão logo haja convicção sobre os reais motivos da tragédia. Já se encontra em São Paulo, desde ontem, o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito. Hoje, seguiu para o mesmo local, por minha designação, o Major-Brigadeiro-do-Ar Jorge Godinho Barreto Nery, assessor especial do Ministério da Defesa, com a responsabilidade de acompanhamento, supervisão e informação das medidas e procedimentos adotados pelos demais órgãos da aviação civil vinculados ao Ministério da Defesa.   Neste momento, a principal preocupação das autoridades e das empresas envolvidas no caso deve ser a de prestar a mais completa e eficiente assistência às famílias das vítimas, procurando reduzir os seus sofrimentos.   O momento é de cautela, e enquanto os resultados das investigações não forem concluídos, o melhor será manter a sobriedade e evitar julgamentos precipitados e ilações que prejudiquem a realização dos trabalhos e possam aumentar ainda mais a angústia das pessoas, já tão abaladas nesta tragédia.   Waldir Pires Ministro da Defesa"

Tudo o que sabemos sobre:
Vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.