Dentistas terão 'botão de pânico' no celular

Conselho regional da categoria vai distribuir aplicativo para 76 mil profissionais usarem em caso de emergência

O Estado de S.Paulo

30 Maio 2013 | 02h03

O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CRO-SP) vai distribuir, na semana que vem, um aplicativo de celular que funciona como "botão de pânico" para dentistas vítimas de violência. Em caso de emergência, o sistema dispara um alerta para os contatos do profissional. A ferramenta é uma resposta aos ataques contra consultórios. Em um mês, dois dentistas foram queimados por assaltantes - Cinthya Magaly de Souza foi queimada viva em São Bernardo do Campo em 25 de abril; na segunda-feira, em São José dos Campos, Alexandre Peçanha Gaddy teve 60% do corpo queimado.

O aplicativo será distribuído aos 76 mil profissionais paulistas cadastrados, segundo o presidente do CRO-SP, Claudio Miyake. A categoria se encontrou ontem com o secretário da Segurança Pública do Estado, Fernando Grella Vieira, e pediu a criação de uma "delegacia especializada para profissionais liberais", em especial os de saúde.

Segundo o CRO-SP, desde segunda foram recebidos 24 relatos de roubos e furtos em consultórios - quatro nos últimos dois meses.

Na manhã de ontem, a polícia de São José dos Campos ouviu testemunhas e recebeu a denúncia de que um Palio ou Gol teria sido usado na tentativa de roubo ao consultório de Gaddy. Imagens das câmeras de segurança estão sendo recolhidas.

Em Franca, cinco bandidos armados invadiram um consultório odontológico na segunda-feira. O dentista havia saído para almoçar, mas três pessoas - a secretária, a filha do dono do consultório e a funcionária de um restaurante - foram rendidas. Os criminosos fugiram levando computadores, celulares e equipamentos de odontologia. / LUCIANO BOTTINI FILHO, BÁRBARA FERREIRA SANTOS E RENE MOREIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.