Dentista faz mulher refém no Shopping Iguatemi

Uma testemunha viu a ação e resolveu chamar a polícia; advogado diz que ele sofre de transtorno bipolar

Camilla Haddad, do Jornal da Tarde,

16 de outubro de 2007 | 12h48

Uma espingarda de chumbinho foi a arma usada pelo dentista Marcelo Henrique de Araújo, 34 anos, para realizar um seqüestro relâmpago às 15 horas de segunda-feira, 15. Sua vítima, a aposentada Cleusa Aparecida Chiaratti Marçal, de 64 anos, foi abordada no estacionamento do Shopping Iguatemi e teve de sacar R$ 6.500. Araújo acabou preso instantes depois de Cleusa fazer o saque. O dinheiro foi recuperado pela polícia.   De acordo com Sérgio Buchalla Filho, de 25 anos, advogado de Araújo, o acusado sofre de transtorno bipolar, toma medicamentos fortes e faz tratamento há alguns anos. O dentista, ainda segundo o advogado, é formado em Mogi das Cruzes e não tem antecedentes criminais; ele trabalha em um consultório e é casado. Buchalla disse que foi acionado pela família do acusado, mas não teve acesso ao inquérito. Com ele, estava a mãe de Araújo, que mostrou-se apavorada ao ver a encrenca em que o filho havia se metido.   Além de apontar a arma, segundo a polícia, o acusado ameaçou agredir a aposentada. Ela foi obrigada a entrar em seu carro com Araújo e seguir até uma agência do Bradesco no cruzamento das avenidas Faria Lima e Cidade Jardim. No caixa eletrônico, o acusado fez um saque de R$ 1.500. Depois disso, ele obrigou Cleusa a entrar na agência e sacar outros R$ 5 mil.   Quando os dois saíam do banco, uma testemunha falava com policiais do Grupo de Operações Especiais (GOE). A testemunha havia percebido algo de estranho e decidiu chamar a primeira viatura que viu na rua. Os policias revistaram Araújo e encontraram o dinheiro e a arma com ele. Cleusa, então, informou que era vítima de um roubo.   Araújo foi levado ao 15º DP e autuado em flagrante pelo delegado Giovanni Roma. À polícia, a aposentada contou que, antes de ir ao shopping, havia saído de um consultório médico e decidiu fazer compras. A assessoria do Iguatemi afirmou que a administração "está averiguando o ocorrido" e que "desde já está à disposição das autoridades para a melhor apuração dos fatos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.