Demora e trem superlotado

LINHA 9-ESMERALDA DA CPTM

O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2012 | 03h03

No dia 29 de maio a Linha 9-Esmeralda da CPTM estava um caos. Fiquei das 19 horas às 19h50 na Estação Vila Olímpia tentando embarcar em um trem (sentido Grajaú) para andar três estações. Tarefa impossível, já que os trens estavam superlotados e circulavam com "velocidade reduzida". Cansados de esperar, outros passageiros e eu pegamos o trem na direção contrária e andamos seis estações. Finalmente dentro do trem, a viagem durou mais 1h15, entre tantos "anda, para" e empurra-empurra nas plataformas. Durante a viagem, pessoas passaram mal e outras discutiram. E quando a CPTM vai perceber que precisa de mais trens e que não dá para operar com "velocidade reduzida" em horários de rush? Quando perceberemos as mudanças que estão sendo feitas nas "reformas" de domingo?

GABRIELA HOPF / SÃO PAULO

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) informa que, em 29/5, a Linha 9-Esmeralda (Osasco-Grajaú) operou com maior intervalo e tempo de parada nas estações porque dois trens que estavam em manutenção não tiveram os serviços concluídos a tempo de entrar em operação no rush da tarde. Esclarece que está buscando soluções rápidas para reduzir as ocorrências que interfiram na operação dos trens, decorrentes, muitas vezes, da fase de transição entre a substituição de antigos sistemas por novos e, em alguns casos, da operação temporária com dois sistemas diferentes, até que toda a modernização seja concluída. Desde o dia 27, as interdições na Linha 9-Esmeralda estão sendo feitas de forma parcial aos domingos, com intervalos maiores entre os trens, mas sem interrupção da operação.

A leitora não quis comentar a resposta.

VAGAS PREFERENCIAIS

Agente da CET não fez nada

Em 28/5 fui a um consultório médico buscar uma guia. O local, na Avenida Angélica, tem uma vaga para idoso e uma para deficiente. A vaga de idoso estava ocupada e a destinada a deficientes foi, surpreendentemente, ocupada por uma moto! Acionei o pisca-alerta e parei para aguardar a liberação da vaga. Nesse intervalo um agente da CET apareceu, mostrei meu cartão de idoso e pedi a ele providências sobre a moto. O agente, porém, não fez nada e ainda disse que iria me multar, ao questionar o fato de eu estar parado com o carro aguardando a vaga. Eu estava parado, não estacionado! Deixei o local e parei num estacionamento particular. Quanta arrogância!

LAERT PINTO BARBOSA

/ SÃO PAULO

A CET esclarece que, por definição do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), parada é a imobilização do veículo com a finalidade e pelo tempo estritamente necessário para efetuar embarque ou desembarque de passageiros; já estacionamento é a imobilização de veículos por tempo superior ao necessário para embarque ou desembarque de passageiros, estando motoristas em desacordo com essa regra em locais com sinalização de proibição de estacionamento passíveis de autuação.

O leitor critica: O mais revoltante não é ter sido multado, mas o fato de o agente ter ignorado a moto estacionada na vaga destinada a deficientes físicos. É simplesmente absurda a falta de senso do guarda. Infelizmente, a preocupação é multar.

LAZER PARA IDOSOS

Projeto não saiu do papel

Em junho de 2011 entrei em contato com o subprefeito da Penha para solicitar a instalação de um centro de convivência para idosos no bairro. O subprefeito exigiu um projeto por escrito e disse que havia espaço para tal finalidade. Entretanto, mesmo com o envio do projeto e o apoio da Associação Brasileira de Gerontologia, não houve prosseguimento à iniciativa. É um descaso com os idosos da região, que têm de se deslocar para bairros vizinhos e enfrentar transporte arriscado e vias mal conservadas.

ELDA PINEDO / SÃO PAULO

A região da Subprefeitura Penha está inserida no Programa Cidade Amiga do Idoso, que visa a adaptar estruturas e serviços para que sejam acessíveis e promovam a inclusão de idosos com diferentes necessidades. A ideia é reformar as calçadas de praças e equipamentos públicos dentro de uma área predeterminada (Polo Amigo do Idoso) que hoje estão desnivelados, com rachaduras, obstáculos (árvores, postes e caixas de correio) e são potencialmente perigosos. Informa que o projeto encaminhado pela leitora foi recebido e a subprefeitura está providenciando um espaço para desenvolver atividades físicas e socioeducativas.

A leitora comenta: Não houve contato da subprefeitura e a questão continua sem destino. Idosos que ligam na subprefeitura nunca são atendidos e a resposta é de que o subprefeito sempre está em reunião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.