Demolido na Lapa esqueleto de hospital

Moradores entraram com processo na Justiça contra expansão do Itatiaia; estrutura resistiu por 15 anos e terreno agora está à venda

JULIANA DEODORO, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2012 | 03h03

O esqueleto do antigo Hospital Itatiaia, que por 15 anos resistiu na Rua Duarte da Costa, na City Lapa, zona oeste, foi finalmente demolido. O empreendimento estava embargado pela Prefeitura desde 1997. A Amil Participações concluiu a demolição do edifício no mês passado. Segundo corretoras que anunciam no local, a empresa está pedindo R$ 7 milhões pelo terreno de aproximadamente 2 mil metros quadrados de área.

"É uma vitória da legalidade", comemora a presidente da Associação de Amigos e Moradores pela Preservação do Alto da Lapa e Bela Aliança (Assampalba), Maria Laura Fogaça Zei. Ela conta que a construção estava abandonada havia três anos, atraía ratos e era um incômodo para os moradores.

Maria Laura, que também é arquiteta especialista em Gestão Ambiental, diz que a decisão da Amil pela demolição foi a mais acertada. "A empresa percebeu que nós não largaríamos a causa (da demolição) e optou pela melhor solução. Não somos contra o serviço do hospital. Sabemos que a saúde é uma questão importante, mas era um edifício totalmente irregular."

A briga entre os donos do hospital e moradores do bairro é antiga. Na década de 1950, a clínica particular São João Batista foi aberta em uma casa da rua. Os anos foram passando e, em 1961, como conta o advogado da Assampalba, Eduardo Monteiro Filho, a clínica conseguiu um Habite-se. "Todas as ampliações seguintes foram feitas com esse alvará da década de 1960. A última grande ampliação foi em 1997, quando a associação entrou com uma ação contra o hospital", conta Monteiro Filho.

Naquele ano, os administradores tentaram aprovar projeto que previa a modernização da estrutura, a instalação de elevadores e a construção de escadas de incêndio. Como a City Lapa era protegida pela lei de zoneamento, a obra foi embargada e assim permaneceu até o mês passado. Por quase dez anos, o hospital continuou funcionando precariamente, até ser fechado em 2009 e ser colocado à venda. O bairro foi tombado pelo patrimônio municipal no mesmo ano.

Documentado. O empresário Antônio Filleti, de 52 anos, mora exatamente na frente do antigo Hospital Itatiaia. Desde que se mudou para a City Lapa, em 2003, ele registra fotograficamente todos as ações e mudanças no prédio. "Não admito ver uma coisa errada e não ir atrás. Por isso, fiz questão de acompanhar esse caso", conta.

O engajamento de Filleti é tanto que em outubro de 2007 ele alugou um helicóptero para fazer fotografias aéreas do hospital que pudessem ajudar no processo judicial. "Eu e meu filho fomos até o Campo de Marte e fretamos o helicóptero. Filmei e fotografei como essa construção influenciava a arquitetura do bairro", diz ele, aliviado com a demolição. "A sensação é muito estranha. É como se você não acreditasse que matou um monstro", diz.

A presidente da Assampalba também está satisfeita. "Foi um esforço de 15 anos. A coisa mais difícil de se ver é um prédio irregular ser demolido nesta cidade", diz Maria Laura.

Vista privilegiada. Agora que o prédio não está mais bloqueando a paisagem do bairro, moradores descobriram a vista que perderam por muitos anos. "Consigo ver as árvores e a serra da janela do meu quarto", diz Tatiana Ferraz, de 37 anos, artista plástica e moradora da Rua Duarte Costa. E completa: "Ficamos felizes, lógico. Não é bom para o bairro nem para a cidade ficar com um espaço desse ocioso".

Procurada, a Amil disse que está desenvolvendo um estudo de viabilidade para identificar a destinação que dará ao imóvel.

Os interessados em comprar algum dos lotes do terreno do antigo esqueleto devem ficar atentos. Como o bairro é tombado, as construções devem obedecer a padrões específicos e ser rigorosamente apenas residenciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.