Delegados de SP fazem operação padrão em protesto contra funções extras

Categoria quer reestruturação da carreira e modernização do atendimento à população

MAÍRA TEIXEIRA, Agencia Estado

23 Março 2010 | 20h16

Os delegados de Polícia de São Paulo trabalham em operação padrão desde o meio-dia desta terça-feira, 23. Segundo a Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Adpesp), os delegados de todo estado realizam apenas as funções atribuídas ao cargo e deixarão de realizar atividades incorporadas ao cotidiano, mas da natureza de cargos, como de escrivão, motorista, carcereiro e outras funções. A categoria quer a reestruturação da carreira e modernização do atendimento à população.

De acordo com a associação, o salário de um delegado em início de carreira é de cerca de R$ 3.600. Já um delegado em fase final de carreira tem vencimento variável entre R$ 7 mil e R$ 8 mil. Segundo o sindicato, há no Estado 3.443 cargos oficiais, 3.200 ocupados.

"Decidimos que faríamos isso, em assembleia, no dia 8 de março, comunicamos ao governo e apresentamos proposta objetiva para promover um melhor atendimento à população e modernizar a Polícia Civil. O governo não se manifestou. Agora, vamos exercer basicamente nossa função, não vamos mais fazer o que não está entre as atribuições do cargo", ressalta Marilda Pansonato Pinheiro, presidente da Adpesp.

Marilda afirma que os delegados vêm, há anos, cumprindo funções extras. "Por conta disso o Estado se locupletou. Fazemos isso para atender à população, que sofre com desaparelhamento da polícia e um atendimento que poderia ser melhor."

 

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) divulgou comunicado sobre a operação padrão dos delegados. Em nota, a pasta afirma que o governo do Estado tem se empenhado em melhorar as condições de trabalho e remuneração dos policiais de todas as categorias e que a população não deve ser afetada pela iniciativa da encabeçada pela Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Adpesp).

 

A SSP informa que permanece, "como sempre esteve, aberta ao diálogo com as entidades representativas dos policiais paulistas e que, como anunciado no dia 10 de março, o Plano de Reestruturação das Carreiras da Polícia Civil, elaborado pela Delegacia Geral de Polícia e aprovado pela Secretaria da Segurança Pública, cumpre trâmite legal pelas secretarias estaduais envolvidas na questão."

 

Notícia atualizada às 22h34 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.