MARIO ÂNGELO/SIGMAPRESS
MARIO ÂNGELO/SIGMAPRESS

Delegado suspeito de receber propina se entrega em Campinas

Operação resultou na prisão de quatro policiais civis envolvidos na investigação do roubo da empresa de valores Protege

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2016 | 18h14

SOROCABA - O delegado Mário Bergamo, do 4º Distrito Policial de Campinas, um dos alvos de uma operação da Corregedoria da Polícia Civil e do Ministério Público contra policiais corruptos deflagrada na terça-feira, 26, apresentou-se nesta quarta-feira, 27, à Corregedoria da Polícia Civil. Ele estava com mandado de prisão expedido e chegou acompanhado do advogado. O delegado foi levado para um presídio da capital, mas pode ser transferido para uma clínica, pois está em tratamento de saúde.

A operação resultou na prisão de quatro policiais civis envolvidos na investigação do roubo da empresa de valores Protege, no dia 14 de março, em Campinas. Um advogado e um receptador também foram presos. Além do delegado, um escrivão e um investigador tiveram mandados de prisão expedidos. O escrivão também já se entregou à corregedoria e o investigador continuava foragido.

Escutas telefônicas do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) apontam que Bergamo teria cobrado R$ 2 mil para liberar um veículo em situação irregular. O advogado David Martins disse que ele não cometeu o crime. Segundo ele, as escutas mostram que o delegado apenas pediu o documento do carro. Martins informou que vai entrar com habeas corpus em favor do delegado. Segundo ele, o policial faz tratamento contra depressão há 15 anos e a doença se agravou, por isso ele estava afastado das funções.

Além do delegado, as escutas implicam investigadores do 2º e 4º Distritos Policiais que estavam investigando o roubo na Protege. Eles teriam recebido R$ 35 mil para não prender um acusado de receptação. A investigação apurou que os investigadores encontraram produtos roubados na casa do suspeito e pediram o dinheiro para livrá-lo da prisão. O valor foi entregue a um dos investigadores. As defesas dos suspeitos negam a extorsão.

Na casa de um dos investigadores presos, a operação apreendeu R$ 470 mil em dinheiro. O policial não soube explicar a origem do dinheiro. Ele e seus colegas atuavam na investigação do assalto à Protege, em que os bandidos levaram R$ 50 milhões. A suspeita de que eles podem ter feito “vista grossa” nas investigações do roubo em troca de propina está sendo investigada. A numeração das cédulas será confrontada com a do dinheiro roubado da Protege.

Mais conteúdo sobre:
CampinasCrime Organizado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.