Delegado espera prender suspeitos de linchamento no Guarujá nesta terça

Responsável pelo perfil 'Guarujá Alerta' onde foram divulgados os boatos que levaram à morte de dona de casa prestou depoimento; Polícia tem senhas da página e procura três suspeitos

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

06 Maio 2014 | 14h12

O homem que mantém o perfil no Facebook "Guarujá Alerta", site apontado por moradores do bairro Morrinhos, no Guarujá, como fonte dos boatos que resultaram no linchamento de Fabiane Maria de Jesus, de 31 anos, prestou depoimento nesta terça-feira, 6. Ele é tratado pela polícia como testemunha e não deverá ser indiciado por nenhum crime relacionado ao assassinato da dona de casa.

O delegado responsável pelas investigações, Luis Ricardo Lara Dias Júnior, do 1º DP do Guarujá, não revelou a identidade do dono da página, mas disse que já foi possível identificar os rostos de três suspeitos e espera confirmar ainda nesta terça a identidade deles. "Ele tem medo de linchamento", afirmou o delegado. Segundo Dias Júnior, o homem confirmou ter publicado no dia 28 de abril a informação de que havia relatos sobre sequestro de crianças na cidade e um suposto retrato falado, mas ressaltou na mesma postagem que as informações eram boatos não confirmados. O retrato falado publicado na página foi feito pela Polícia do Rio há dois anos, para encontrar uma mulher suspeita de sequetrar bebês em Ramos, na zona norte da capital fluminense.

Posteriormente, no entanto, o homem alegou ter feito uma nova postagem em que dizia que esse boato havia sido espalhado em outras cidades como no Rio de Janeiro, e compartilhado inclusive links com reportagens sobre as acusações. Segundo o delegado, o homem repassou para a polícia suas senhas de acesso ao Facebook e está colaborando com as investigações. "Isso é importante porque logo depois do crime algumas pessoas postaram fotos e comentários sobre o espancamento de Fabiane. Com a identificação dessas pessoas poderemos chegar até os criminosos", disse o delegado.

Dias Júnor informou ainda que teve acesso a novas imagens sobre o linchamento da dona de casa. "Em uma delas, embora não tenha feito uma contagem, posso estimar que havia pelo menos mil pessoas no local".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.