Delegado é morto após suposta abordagem na zona sul de SP

No local de onde teria partido o tiro, foram encontrados uma pistola calibre 380, várias porções de drogas e celulares

Pedro da Rocha e Ricardo Valota, do estadão.com.br,

22 Julho 2011 | 02h59

SÃO PAULO - O delegado Leonardo Mendonça Ribeiro Soares, de 28 anos, perseguia dois suspeitos em uma viela estreita com saída para a Avenida Doutor Massau, em Cidade Ademar, na zona sul de São Paulo, quando foi morto  na noite de quinta-feira. Ele estava acompanhado de um escrivão. Depois de correr por cerca de 50 metros, foi baleado na cabeça por um atirador escondido em uma das casas que margeavam o caminho.

 

 

Soares foi socorrido no Pronto-socorro Central de Diadema, mas não resistiu aos ferimentos. Ele era plantonista do 98º Distrito Policial (DP), do Jardim Miriam. Na hora do crime, por volta de 21h30, o delegado estava junto com o escrivão José Carlos Pereira Junior, de 29 anos, do mesmo DP, que ralou um dos braços ao cair durante a ação.

 

Junior havia saído para jantar com o delegado utilizando uma viatura da delegacia, e, na volta, tentaram abordar dois desconhecidos que teriam corrido para o interior da viela. O delegado teria sido surpreendido por um tiro disparado por um dos suspeitos, que utilizou um vão na parede de uma das residências - existente pela falta de um tijolo - para atirar contra Leonardo.

 

Policiais informaram que os suspeitos estavam em uma moto e foram abordados na Avenida Doutor Massao e que, após abandonarem o veículo, entraram na viela. Até as 2h30 da madrugada desta sexta-feira, 22, nenhuma moto abandonada havia sido apreendida nem localizada pela polícia. A pistola 45 do delegado sumiu, provavelmente levada pelos bandidos.

 

No interior da casa para onde o escrivão disse ter visto os criminosos correrem, a polícia encontrou uma pistola calibre 380, que seria a utilizada no assassinato, várias porções de drogas, entre elas cocaína, e celulares. Ninguém foi localizado dentro da residência. Segundo a polícia, o autor do disparo já foi identificado, um homem conhecido como "Baiano".

 

Equipes do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra), do Grupo de Operações Especiais (GOE) e delegados de diversas delegacias da cidade, mobilizaram-se até a região e realizam um buscas no entorno do local do crime. Até o início da madrugada desta sexta-feira, pessoas tidas como suspeitas eram abordadas e levadas para averiguação na delegacia do Jardim Miriam.

 

Menor. O policial nasceu em Presidente Prudente, no oeste paulista, era solteiro, não tinha filhos e, após passar em concurso, começou a exercer a função de delegado em 2009. Na madrugada do dia 25 de janeiro deste ano, o delegado Leonardo Mendonça foi mordido em um dos dedos das mãos pelo menor F.R.A., de 14 anos, na ocasião detido pela 17ª vez. O adolescente atacou o delegado durante depoimento no 98º Distrito Policial. F.R.A. foi detido pela PM no Jardim Sônia, também região de Cidade Ademar, ao lado de outros quatro menores, entre eles uma garota, todos ocupando um Kadett preto furtado.

 

Atualizada às 7h30

Mais conteúdo sobre:
delegado assassinato zona sul garra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.