Delegado e família são encontrados mortos em Cotia

A principal hipótese trabalhada pela polícia é de que ele teria matado a família e depois se suicidado

Andressa Zanandrea, Jornal da Tarde

17 de outubro de 2007 | 02h18

A delegacia de Cotia, na Grande São Paulo, investiga as circunstâncias da morte do delegado Nelson Neves de Oliveira, de 47 anos, titular da Divisão de Homicídios de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. A polícia trabalha com a hipótese de que Neves tenha matado os filhos, a mulher e, em seguida, tirado a própria vida. A tragédia teria ocorrido na madrugada de terça-feira, em uma chácara, onde viviam o delegado, a mulher dele e um casal de filhos.   A esposa, Marily Batista Pessoa de Oliveira, de 49 anos, era diretora de uma escola em Ibiúna, município vizinho. Segundo o delegado Fernando César, da Seccional de Carapicuíba, familiares contaram que Neves e Marily estariam vivendo uma crise conjugal. Ao lado dos corpos do casal, em um dos quartos da casa, estavam também os dos filhos, N.D.N., de 13 anos, e Nadine Luise Neves, de 23 anos.   O delegado e a mulher estavam na cama do casal; o caçula em uma cama de solteiro e Nadine, em um colchonete ao pé da cama do casal. Eles foram mortos com tiros no peito e na cabeça. As armas também estavam ali: uma pistola calibre 45 e um revólver calibre 38. Ambos do policial.   Ao lado da chácara do delegado, há outra, onde vivem parentes, incluindo um irmão dele. "Eles teriam ouvido disparos na madrugada de terça-feira, por volta das 4 horas da manhã", disse o delegado Fernando César.   Os familiares teriam tentado ligar diversas vezes no telefone da chácara, mas ninguém respondeu às chamadas ao longo do dia. No local, celulares não funcionam, então as únicas formas de comunicação são por telefone fixo ou pessoalmente. Eles, então, foram até a casa e constataram que estava trancada, com os carros na garagem, mas com a luz acesa em um dos cômodos - o quarto do casal, no segundo andar.        Depois disso, os parentes, preocupados, teriam chamado a Guarda Municipal de Cotia. Os guardas foram até lá e conseguiram entrar na casa depois de quebrar uma janela dos fundos. E logo localizaram os corpos. As polícias Militar e Civil foram acionadas, inclusive especialistas da Polícia Técnico-Científica. Não havia sinais de arrombamento no imóvel nem evidências de presença de outras pessoas na chácara.   Segundo o delegado Fernando César, apesar de aparentemente se tratar de triplo homicídio seguido de suicídio, todas as hipóteses serão investigadas. Essa também é a principal hipótese, na opinião do delegado Cláudio Alexandre do Rosário, que vai instaurar inquérito no 1º Distrito Policial de Cotia (Caucaia do Alto). "A gente não sabe o que aconteceu. Ninguém da família poderia prever um negócio desses."

Tudo o que sabemos sobre:
Cotiaassassinatosviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.