Delegado do Denarc investigado por achaque a traficantes é solto

Fábio do Amaral Alcântara está entre os policiais que teriam recebido propina de bandidos para retardar operações

Fausto Macedo, O Estado de S. Paulo

07 de agosto de 2013 | 13h45

SÃO PAULO - O Tribunal de Justiça de São Paulo revogou ordem de prisão temporária do delegado Fábio do Amaral Alcântara, do Departamento Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Denarc). A decisão é do desembargador Breno Guimarães, que acolheu pedido da defesa.

Segundo o Ministério Público de Campinas (SP), pesa sobre Alcântara e um grupo de policiais a acusação de recebimento de propinas para passar informações a traficantes e retardar investigações. Os traficantes pagavam aos agentes "anuidades" que chegavam a R$ 300 mil e "mensalidades" de até R$ 30 mil.

Apesar da revogação da ordem de prisão, o desembargador impôs restrições ao delegado, que é acusado de crimes de corrupção, formação de quadrilha e extorsão mediante sequestro. Alcântara não poderá faltar às convocações da Justiça e do Ministério Público, "salvo em caso de comprovada força maior".

A defesa de Alcântara, sob responsabilidade do criminalista Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, argumentou no pedido de revogação da ordem de prisão que o delegado encontrava-se em "estado de grave desequilíbrio emocional e psíquico decorrente da sua prisão temporária, tendo passado por reação aguda ao stress, ocasião em que tentou se ferir utilizando um cabide".

Tudo o que sabemos sobre:
denarcaçõesdelegado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.