Déficit nas prisões femininas do Estado é de 5 mil vagas

O déficit das prisões femininas em São Paulo é de 5.255 vagas, segundo estatísticas do governo, e não há prazo para solucioná-lo. No total, são 11.749 detentas, para 6.494 vagas. A maior parte das prisões é por tráfico de drogas.

O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2011 | 03h03

Para solucionar o problema, o governo lançou um plano de construção de oito penitenciárias, mas apenas duas saíram do papel. Além de Tremembé, uma unidade foi inaugurada em junho em Tupi Paulista. Outras prisões não têm prazo de inauguração.

A situação não é diferente no restante do País: há 34,8 mil presas para 18,7 mil vagas. Segundo o Departamento Penitenciário Nacional, será lançado ainda em 2011 programa para "zerar o déficit" em três anos. O Conselho Nacional de Justiça estima que outras 2,8 mil mulheres serão presas ainda em 2011. / V.H.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.